22 de janeiro de 2021 Atualizado 22:16

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Santa Bárbara

Hospital Samaritano de Santa Bárbara deve ser entregue em janeiro

Unidade particular estava prevista para ser inaugurada em março, mas atrasou por conta do novo coronavírus

Por Marina Zanaki

22 nov 2020 às 08:42

A unidade em construção do Hospital Samaritano em Santa Bárbara d’Oeste tem previsão de entrega para janeiro de 2021. Inicialmente, era prevista para ser inaugurada até março deste ano, mas sofreu atrasos em função do novo coronavírus (Covid-19).

A pandemia provocou atrasos no processo de importação de produtos. Como a maior parte dos equipamentos e alguns produtos utilizados na construção do hospital era de fora, o cronograma precisou ser alterado.

Hospital é construído na Rua Limeira, na Zona Leste de Santa Bárbara – Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

“As importações dos equipamentos e produtos usados na obra já foram normalizadas. A previsão é que a inauguração aconteça em janeiro de 2021”, disse a assessoria de imprensa do Samaritano.

O hospital está sendo construído na Rua Limeira, em uma área de 18 mil metros quadrados, nas proximidades do supermercado São Vicente, no limite com Americana.

Esse será o primeiro hospital da Zona Leste de Santa Bárbara d’Oeste, área mais populosa da cidade. Atualmente, a maior estrutura de saúde nessa região é o Pronto-Socorro Afonso Ramos, administrado pela prefeitura.

A cidade, que não tem hospital público, conta com uma Santa Casa (Hospital Santa Bárbara) e com uma unidade do Hospital Unimed.

Estrutura
O projeto do Hospital Samaritano prevê 90 leitos de internação, unidades de terapias intensivas adulto e neopediátrica.

A estrutura deve contar com pronto-socorro, maternidade, ambulatório de especialidades, medicina preventiva, além de hemodinâmica (com serviços de cateterismo e angioplastia).

Esse serviço é oferecido pelo Samaritano apenas na unidade de Campinas. Na região, somente o Hospital Unimed de Americana oferece o cateterismo de urgência.

Os leitos serão construídos em um modelo canadense no qual os pacientes ficam em chalés. O objetivo é reduzir a presença no ambiente hospitalar, melhorando a qualidade de vida durante a internação.

O novo hospital deve abrir de 170 a 200 novas vagas de emprego. As oportunidades serão para as áreas de enfermagem, administrativa e tecnologia da informação.

Publicidade