Empresária de Santa Bárbara perde R$ 15 mil após chuva

Sede da fábrica foi alagada na terça-feira; ocorrências também foram registradas em Americana e Sumaré


As chuvas da última terça-feira causaram um prejuízo de R$ 15 mil à empresária Janete Rodrigues Pereira, de 53 anos. Ela é proprietária de uma empresa de materiais plásticos que teve a sede afetada no Jardim São Francisco, em Santa Bárbara d’Oeste. A produção ficou paralisada.

A cidade, inclusive, foi a que registrou o maior volume de chuvas dentre aquelas da RPT (Região do Polo Têxtil) nesta terça. De acordo com o Cepagri/Unicamp (Centro de Pesquisas Meteorológicas Aplicadas à Agricultura, da Universidade de Campinas), foram 67 mm de chuvas, superando Sumaré (36,8 mm), Hortolândia e Americana (36 mm) e Nova Odessa (32,8 mm).

Há alerta em Americana para o risco moderado de chuva, acompanhada de raios, nas próximas 72 horas.

Foto: Marcelo Rocha / O Liberal
Máquinas de injeção da empresa ficaram prejudicadas pela força da água

Segundo a meteorologista Ana Ávila, do Cepagri, a média de chuvas para os meses de novembro é de 162,3 mm na região de Campinas. “É um volume bastante expressivo [registrado em Santa Bárbara]. Essa chuva é considerada forte, porque ela veio rápida, principalmente à tarde, bem localizada”, destaca.

Houve registro de ocorrências também em Sumaré e Americana, onde árvores foram derrubadas nas ruas Francisco Lapierre e Antonio Galvão Cesarino Leite. Além disso, trechos do asfalto das ruas Herman Muller, Cândido Cruz e Benjamin Costant foram danificados, e um poste caiu no Werner Plass.

A fábrica de Janete fica na Rua Guaicurus, que historicamente sofre durante os períodos chuvosos, afirma a empresária. O imóvel foi alagado, o que afetou as máquinas de injeção da empresa. Ela terá que repor o óleo do maquinário para que ele volte a funcionar.

“Só de óleo que eu tenho que colocar nas máquinas, cada tambor é R$ 3 mil e são duas máquinas que eu perdi todo o óleo dela. Perdi uns R$ 2 mil de caixa de papelão. Aqui [na fábrica] brincando eu perdi uns R$ 15 mil só numa noite”, conta ao LIBERAL.

Ela alega que os bueiros da via estão entupidos e que a caída d’água não é adequada, por isso o local sempre é atingido com enchentes. Questionada, a Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste não respondeu se providenciará a limpeza das estruturas de vazão d’água.

Santa Bárbara ainda teve duas quedas de árvores no Planalto do Sol e no Jardim Pérola, um poste caído próximo à Avenida Corifeu de Azevedo Marques – que teve pontos de alagamento, assim como as Ruas Tupis, da Blenda, Estados Unidos e Argentina.

Motoristas tiveram dificuldades em trechos da Rodovia Luiz de Queiroz (SP-304) de Santa Bárbara d’Oeste e Americana. Em Sumaré, a prefeitura diz que houve concentração de água nas avenidas 3M, Júlia Vasconcellos Bufarah e Rebouças. “As equipes de Serviços Públicos da Prefeitura de Sumaré entraram em ação com a retirada dos galhos e outros materiais que ser acumularam nessas vias”, cita em nota.

As prefeituras de Nova Odessa e Hortolândia afirmaram que a Defesa Civil não foi acionada para ocorrências nas duas cidades.

Segundo a meteorologista, há previsão de chuva até segunda-feira. “Em algum momento a gente vai ter um tempo um pouco mais nublado, em alguns momentos a chuva mais forte em forma de pancada, mas de forma geral é que a gente tenha chuva até o início da semana”, completa.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora