Dupla é presa com carro roubado em Santa Bárbara

Aos policiais, um deles alegou que havia comprado o veículo, um Toyota Yaris, por R$ 1 mil; ambos foram enquadrados pelo crime de receptação


Dois homens foram presos com um carro roubado na noite de sexta-feira, no Jardim Pérola, em Santa Bárbara d’Oeste. Antes de ser rendida, a dupla fugiu na contramão da Avenida do Comércio e bateu em um poste de energia. Um dos presos disse que tinha comprado o veículo, um Toyota Yaris XL, por R$ 1 mil. O modelo do carro não está totalmente especificado no boletim de ocorrência, mas o mais barato da linha XL custa em média por R$ 53 mil, segundo a tabela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas).

Foto: Marcelo Rocha - O Liberal.JPG
Motorista tentou fugir em alta velocidade, entrou na contramão da Avenida do Comércio e bateu em poste na esquina com a Rua do Petróleo

Ambos foram enquadrados pelo crime de receptação, cuja pena é de um a quatro anos de multa. Com eles, a polícia apreendeu R$ 1.400, dois celulares, 2.000 guaranis (moeda do Paraguai), 1 rupia (dinheiro usado no Paquistão) e US$ 1.

A GCM (Guarda Civil Municipal) fazia ronda na Avenida da Indústria por volta das 21h30 quando os patrulheiros viram o veículo, que havia sido roubado no dia anterior em Americana, durante assalto a uma casa. Assim que cruzou com os guardas, o motorista passou a fugir em alta velocidade e entrou na contramão da Avenida do Comércio.

Na esquina com a Rua do Petróleo, o condutor perdeu o controle e bateu em um poste. O pintor Ricardo Silva Souza, 34, foi detido ainda no carro. O também pintor Ronaldo Pereira da Silva, 33, que dirigia o veículo, tentou fugir a pé, mas foi detido a poucos metros, segundo a GCM. Ele ainda jogou um celular no chão – o dinheiro nacional e estrangeiro foi encontrado com ele.

Os guardas disseram à Polícia Civil que ele afirmou ter comprado o veículo de um desconhecido por R$ 1 mil e negou participação no roubo à casa de onde o Toyota foi levado. Ricardo, o outro detido, disse, segundo os guardas, que Ronaldo é seu funcionário em uma firma de pintura e que estava apenas dando uma volta com ele.

Ambos foram presos por receptação e, na delegacia, não pagaram a fiança, estabelecida em R$ 10 mil. No boletim de ocorrência registrado pela Polícia Civil consta que os policiais não conseguiram contato com as vítimas.

Segundo informações do Fórum de Americana, na audiência de custódia realizada ontem, Ronaldo teve a prisão em flagrante convertida em preventiva (sem prazo determinado) por ordem do juiz de plantão. Ricardo teve a liberdade provisória concedida mediante o pagamento de fiança de meio salário mínimo (R$ 499), que poderia ser recolhida até o fim do dia – enquanto isso, fica preso no CDP (Centro de Detenção Provisória). Se não pagar, a prisão será convertida em preventiva.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!