22 de abril de 2021 Atualizado 14:40

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Covid-19

Com 3 casos de Covid-19, escola Luzia Baruque Kirche suspende aulas presenciais

Escola retoma atividades retomas por período de 15 dias; a partir de dois casos em uma mesma unidade, Vigilância Sanitária considera surto

Por Marina Zanaki

02 mar 2021 às 17:43 • Última atualização 02 mar 2021 às 18:11

Dos três infectados, dois são professores e uma é profissional da limpeza - Foto: Ernesto Rodrigues - O Liberal

Com três casos confirmados do novo coronavírus (Covid-19), a escola estadual Luzia Baruque Kirche, no bairro Conjunto Habitacional Roberto Romano, em Santa Bárbara d’Oeste, suspendeu por 15 dias as aulas presenciais.

A medida foi adotada pela Vigilância Sanitária local, que acompanha a situação na escola, e passou a valer na segunda-feira (1°), com previsão de retorno para o dia 15 de março.

Dos três infectados, dois são professores e uma é profissional da limpeza. Todos estão bem e em casa, e a faxineira inclusive não apresenta mais os sintomas.

Nenhum deles frequentou a escola com sintomas, já que foram afastados ao primeiro sinal da doença. O primeiro afastamento ocorreu no dia 17 de fevereiro, com confirmação dos casos na última sexta-feira (26).

Nesse mesmo dia, a Vigilância Sanitária esteve na escola para informar sobre a confirmação dos casos e verificar os protocolos. Segundo a vice-diretora da unidade, Kelide Padoveze Martignago, os procedimentos adotados pela escola foram aprovados pelo órgão municipal.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

“A Vigilância Sanitária esteve na escola e comprovou que estamos seguindo os padrões exigidos de higiene, distanciamento, máscara, álcool em gel para todo lado, higienização dos ambientes antes dos alunos entrarem na sala, no intervalo tem a higienização das carteiras, mantém distanciamento no refeitório, banheiros lavados três vezes no dia. A Vigilância analisou os produtos que usamos e constatou que são aprovados pela Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária]”, disse Kelide.

“Os alunos não entram sem máscara, são orientados, tem sabão nos banheiros, copos descartáveis para os bebedouros. A Vigilância viu tudo isso certinho, e ainda teve caso de Covid dentro da escola, coincidiu”, afirmou a vice-diretora.

A partir de dois casos em uma mesma unidade, a situação se configura como surto. Em função disso, o órgão municipal determinou a suspensão temporária das aulas para que todos – professores, funcionários e alunos – fiquem em quarentena por duas semanas. Dois profissionais foram afastados com suspeita, mas os casos foram descartados.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

“Não está fechando porque a escola está contaminada, estamos fechando para que as pessoas que trabalham na escola fiquem isoladas por 15 dias, para que se apresentarem sintomas, não sejam transmissoras”, explicou Kelide.

Ela contou que a direção da escola tem mantido um contato aberto com os pais e informando-os a cada etapa, como o afastamento de positivos, a confirmação dos casos e a decisão por suspender as aulas presenciais.

“Nossa comunidade tem que saber que fechamento é uma questão de segurança. Não é todo mundo ficar desesperado que vai pegar Covid – não é isso. É uma prevenção pra que todo mundo fique quietinho porque não sabemos de onde veio”, finalizou a vice-diretora.

A Secretaria de Estado da Educação confirmou a suspensão de aulas na escola Luzia Baruque Kirche por recomendação da Vigilância Sanitária. A pasta informou que essa é a única escola da Diretoria Regional de Ensino de Americana, que inclui as unidades de Santa Bárbara d’Oeste e Nova Odessa, com suspensão de aulas.

A Vigilância Sanitária de Santa Bárbara d’Oeste disse que a suspensão das aulas atende a recomendações estaduais, que determinam que “quando há dois ou mais casos suspeitos ou positivos com vínculo epidemiológico, a escola deve ser fechada e isolada por 14 dias, para proteção dos professores, estudantes e demais pessoas que frequentam o ambiente escolar”.

A Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) divulgou em nota que a suspensão de aulas ocorreu após denúncias do sindicato.

“A Apeoesp Americana continua orientando seus associados a fazerem denúncias dos casos de afastamentos por Covid-19, para que nosso trabalho tenha resultado e não coloque a comunidade escolar em mais risco do que já estão”, trouxe a nota do sindicato.

Em Americana

Nesta terça, a Etec (Escola Técnica Estadual) Polivalente, em Americana, também anunciou a suspensão das aulas presenciais a partir desta quarta-feira (3), por um período inicial previsto de 15 dias, com possibilidade de prorrogação.

Em nota divulgada nas redes sociais, a escola informou que tem dois professores com diagnóstico positivo para o coronavírus (Covid-19) e que as aulas serão mantidas pelo sistema remoto.

Saúde defende retorno das aulas remotas

Secretário de Estado da Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn disse nesta terça-feira ser favorável à suspensão das aulas presenciais nas escolas diante do agravamento da pandemia.

O tema, segundo ele, será discutido nos próximos dias, mas a posição pessoal do secretário é de que manter escolas abertas implica em uma série de deslocamentos fora dos colégios que contribuem com a propagação do vírus.

Publicidade