Após ter perna amputada, jovem de Santa Bárbara sonha em ser modelo

Adriel Bellan, que perdeu parte da perna, faz ‘vaquinha’ para pagar prótese e tenta carreira de modelo


Um “tsunami de azar”. É assim que Adriel Vieprz Bellan, de 21 anos, define os acontecimentos que marcaram sua vida nos últimos meses. O jovem amputou uma perna após um acidente, fez um financiamento no nome da avó para conseguir comprar uma prótese, viu os pais se separarem e o orçamento apertar. Em meio a esse caos, a esperança de seguir o sonho de modelo é o que o motiva, assim como o apoio de familiares, amigos e da namorada.

Em 30 de março de 2016, ele sofreu um acidente de moto na Rodovia Jornalista Francisco Aguirre Proença (SP-101), quando fazia uma entrega para a empresa onde trabalhava. Inexperiente – ele tinha conseguido a habilitação para dirigir motos há apenas um mês – Adriel acabou tendo a perna esquerda esmagada contra um veículo em uma curva. O membro foi amputado no meio da coxa por conta dos ferimentos.

Com 19 anos na época do acidente, o que Adriel mais queria era voltar a andar, e pra isso fez um financiamento de uma perna mecânica. Utilizando o nome da avó, que tinha uma linha de crédito especial por ser cliente há muitos anos de um mesmo banco, ele voltou caminhar seis meses depois do início das sessões de fisioterapia. “Nunca quis tirar CNH de moto porque tinha medo de sofrer acidente, de perder um braço, uma perna. Quando era criança, ficava impressionado quando via uma pessoa amputada. Pra você ver como são as coisas”, contou.

Foto: João Carlos Nascimento/O Liberal
Adriel tenta recomeçar a vida como modelo, mas lamenta falta de oportunidades

Hoje, ele diz que a perda da perna é a menor de suas preocupações. A prótese que ele financiou em 60 parcelas de R$ 567 é um peso no orçamento. Adriel mora com o pai e banca as despesas da casa com o pouco mais de R$ 1 mil que recebe do INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social) por afastamento. O pai trabalha como funileiro, mas há dois meses não aparece serviço. Como a dívida da perna está no nome da avó, que há seis meses sofreu um acidente vascular cerebral e viu as despesas com remédios aumentarem, Adriel corre contra o tempo todo o mês para conseguir depositar o valor da parcela e evitar que o valor seja abatido da aposentadoria da idosa, que tem 76 anos.

“Estou desmotivado. Em abril, faz um ano que comecei a ir atrás do sonho de ser modelo. Houve bastante interesse, fiz muitos contatos em São Paulo, mas ainda não rolou nenhum trabalho”, disse. “Sofri um acidente, uso uma prótese e não vou esconder isso. Vou mostrar e de forma representativa. A inclusão é muito importante”, explica.

Em janeiro deste ano, o INSS forneceu a Adriel uma outra prótese, com joelho eletrônico e mais moderna do que a que ele financiou. O jovem tenta se acostumar ao uso da nova perna, ao mesmo tempo em que sofre para pagar as parcelas da prótese parada. O barbarense lançou uma campanha para arrecadar R$ 18 mil para quitar o financiamento. A perna mecânica será doada para alguém que necessite. Contudo, até agora ele conseguiu levantar menos de R$ 600. As doações podem ser feitas através do site www.vakinha.com.br.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!