21 de maio de 2022 Atualizado 21:14

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Feminicídio

Acusado de matar namorada com 16 facadas em Santa Bárbara vai a júri em novembro

Julgamento será no dia 8; Lucas Nery de Lima está preso preventivamente há quatro meses

Por Pedro Heiderich

04 Outubro 2021, às 07h34 • Última atualização 04 Outubro 2021, às 12h00

Lucas tentou fugir após matar a namorada, mas foi preso em São Paulo – Foto: Reprodução/Facebook

Acusado de feminicídio após matar a namorada com 16 facadas, o vidraceiro Lucas Nery de Lima, de 27 anos, vai a júri popular no dia 8 de novembro, em Santa Bárbara d’Oeste. A pena pode chegar a até 30 anos de reclusão.

Lucas está preso preventivamente há quatro meses, duas semanas após matar a estudante Janaína Amorim Pereira da Silva, de 24 anos, no Jardim Europa. Ele tentou fugir, mas acabou preso em São Paulo.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

A decisão da Justiça de que o caso seja julgado pelo júri popular foi tomada após audiência online realizada em 16 de setembro. A data do júri foi definida recentemente.

A reportagem tentou contato com o advogado de defesa de Lucas, Jakson Florencio de Melo Costa, mas não conseguiu falar com ele.

Janaína foi encontrada morta em sua cama com 16 facadas – Foto: Reprodução

Irmã da vítima, Thayná Amorim Pereira da Silva, de 21 anos, disse ao LIBERAL que acredita na condenação de Lucas.

“Ele vai ser condenado. Porque foi um crime com requintes de crueldade. A polícia tem as provas no celular da minha irmã, de que ele agredia ela fisicamente, psicologicamente, além da forma que ele matou ela”, disse.

A família está confiante na justiça. “Estamos confiantes que ele continuará preso e condenado com a pena máxima. Ele está preso e vai pagar pelo que fez. Infelizmente não traz minha irmã de volta, mas para a gente é um alento”, afirma Thayná.

A denúncia

Na denúncia, o MP pede condenação por feminicídio e homicídio cruel, mediante recurso que dificultou a defesa da ofendida. A defesa pediu o afastamento da qualificadora que diz que a morte dificultou a defesa da ofendida.

´Porém, o juiz Cassio Henrique Dolce de Faria citou o laudo que aponta as 16 facadas cometidas por Lucas.

O juiz relata ainda os indícios de autoria e os relatos de testemunhas, que coincidiram, tornando as provas ainda mais fortes. “Há indícios de crueldade pela reiteração das facadas”, ressalta.

Cassio ainda afirma que a vítima teve a reação dificultada pois o namorado estava armado, dentro de casa, além de sua superioridade física, e de se tratar de violência doméstica e contra a mulher, mantendo as qualificadoras. Caberá aos jurados acatar ou não a denúncia do MP.

Histórico

Janaína era costureira, mas não estava trabalhando na época em que foi assassinada porque Lucas não queria e exigia que ela cuidasse da casa.

A estudante foi encontrada pela irmã, morta em sua cama com ferimentos de facadas, depois que Thayná recebeu uma ligação dizendo que tinham matado Janaína.

Familiares informaram que ela sofria agressões constantes do seu companheiro, e que Lucas ele já havia tentando matar a jovem no final do ano de 2019.

Publicidade