‘Vizinhança Solidária’ quer aumentar abrangência em Americana e SB

Dois anos após início do projeto, Polícia Militar quer aumentar abrangência do programa de segurança comunitária


Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal
Projeto de policiais tenta aproximar corporação de moradores

O programa Vizinhança Solidária completou, no mês passado, dois anos na região do 19° BPM/I (Batalhão da Polícia Militar do Interior) com planos de expansão. O programa consiste em uma integração da comunidade com a polícia para facilitar a comunicação de atividades suspeitas por meio de grupos do WhatsApp. Na semana passada, um homem foi preso em flagrante após furtar fios de uma casa em construção no bairro Terramérica. A prisão foi possível após denúncias feitas por meio do Vizinhança Solidária.

A meta para os próximos dois anos é cobrir 20% de Americana e Santa Bárbara d’Oeste com o policiamento comunitário que inclui, além do Vizinhança Solidária, 40 horas semanais com patrulhamento de policiais da ronda comunitária. O objetivo é que o restante do território passe a contar com tutores – pessoas capacitadas pela polícia para orientar ações conjuntas com vistas à prevenção de crimes e em contato direto com os policiais.

Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal
Em reunião com os militares, major Takiuchi diz que objetivo é aumentar abrangência de programa

O major Rogério Nascimento Takiuchi, do 19º BPMI, explicou que o programa busca empoderar a população e diminuir os índices de criminalidade. Atualmente, são nove grupos de Whatsapp, com cerca de 1.160 pessoas das regiões dos bairros Jardim Ipiranga, Parque Novo Mundo, Praia Azul e Antonio Zanaga.

“Por muitos anos as bases comunitárias do Jardim Ipiranga e do Jardim Europa ficaram estagnadas. Nos dois últimos anos estamos fazendo uma gestão de qualidade, e o foco para o terceiro e quarto ano é empoderar a comunidade para trabalhar um pouco mais. Quando falamos em polícia comunitária, estamos tentando criar um fator mobilizador social. Em vez de procurar a polícia só com o problema, que a população se antecipe e se mobilize, apontando também o tipo de trabalho que esperam da polícia”, disse Takiuchi.

FLAGRANTE

Uma denúncia feita pela direção da Escola Estadual Juvelina de Oliveira, no bairro São Francisco, em Santa Bárbara d’Oeste, por meio do Vizinhança Solidária, resultou na prisão de um homem que estava vendendo drogas e aliciando estudantes. O caso foi registrado em março.

“A direção entrou em contato com a gente informando que indivíduos suspeitos estavam frequentando a entrada dos alunos. Com base na denúncia fizemos patrulhamento e abordamos um indivíduo. Com ele foram localizados cocaína e dinheiro”, explicou o soldado Martim.

O major Takiuchi lembrou que para emergências, na qual há risco de vida, a orientação é que a denúncia seja feita diretamente pelo 190. Os grupos do Vizinhança Solidária têm por objetivo levantar informações que auxiliem na segurança pública, e não para casos urgentes.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!