21 de maio de 2022 Atualizado 21:14

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Região

Três são presos com 1,5 mil rolos de cabos elétricos irregulares na RMC

Detenções ocorreram durante Operação Cabo Frio, deflagrada nas cidades de Americana, Valinhos, Limeira, Piracicaba e Campinas

Por Paula Nacasaki

03 Dezembro 2021, às 13h26 • Última atualização 03 Dezembro 2021, às 13h27

Três homens foram presos nesta quarta-feira (1°) com 1,5 mil rolos de cabos irregulares. As detenções ocorreram durante a Operação Cabo Frio, deflagrada nas cidades de Americana, Valinhos, Limeira, Piracicaba e Campinas.

1,5 mil rolos de cabos irregulares foram apreendidos – Foto: Polícia Civil / Divulgação

A operação teve como alvo fabricantes de cabos de energia em desacordo com as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia), que podem causar incêndios, curtos-circuitos e choques elétricos

Os trabalhos policiais foram coordenados pela 1ª DIG (Delegacia de Investigações Gerais), da Deic (Divisão Especializada de Investigações Criminais) de Campinas, após diversas denúncias sobre a confecção de cabos suspeitos.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Por meio de investigação, os policiais civis conseguiram identificar e localizar os empresários responsáveis pela fabricação dos fios irregulares. Os locais não foram divulgados até a publicação desta reportagem.

Nos estabelecimentos, os policiais encontraram grande quantidade de cabos elétricos. Eles foram testados e foi constatado que quase a totalidade dos fios exibia resistência muito superior à permitida pela ABNT, podendo desse modo causar superaquecimento e incêndios. Os produtos também estavam fora dos padrões estabelecidos pelo Inmetro.

Diante dos fatos, 1.500 rolos de cabos elétricos e 25 bobinas de bitolas diversas foram apreendidos por apresentarem irregularidades e três proprietários de fabricantes presos em flagrante.

Eles foram autuados por crime contra as relações de consumo e depois encaminhados à cadeia para permanecerem à disposição da Justiça.

Publicidade