Suspeito de homicídio, filho de vice-prefeita é preso

Ele é suspeito de ter matado com golpes de taco e a tiros o desempregado Jonatas Henrique Buzo, de 27 anos, e de ter deixado corpo na beira do rio


Foto: GM Jaguariúna - Divulgação
Corpo foi encontrado cinco dias depois, à margem do rio, com três perfurações de arma de fogo e o rosto desfigurado

Procurado desde o dia 14 de fevereiro, quando teve a prisão decretada por suspeita de homicídio, Eric Bergamasco Soares, de 28 anos, se apresentou nesta quinta-feira, 28, à Polícia Civil e foi preso. Filho da vice-prefeita de Jaguariúna, Rita Bergamasco (MDB), ele é suspeito de ter matado com golpes de taco e a tiros o desempregado Jonatas Henrique Buzo, de 27 anos, e de ter jogado o corpo na beira do Rio Camanducaia.

Ele nega o crime. Sua defesa informou que vai entrar com pedido de revogação da prisão temporária.

Conforme a investigação, Eric foi visto sequestrando a vítima, com a ajuda de outra pessoa, no dia 31 de janeiro. Buzo estava numa calçada do bairro Terras do Capela Santo Antônio, quando foi colocado à força em um carro.

A família de Buzo denunciou seu desaparecimento. O corpo foi encontrado cinco dias depois, à margem do rio, com três perfurações de arma de fogo e o rosto desfigurado.

Com informações de testemunhas que viram a placa do veículo, a polícia descobriu que o carro da vice-prefeita tinha sido usado no sequestro.

Uma perícia indicou manchas de sangue no porta-malas do veículo. Também foi localizado o taco de beisebol que teria sido usado no crime.

Na época, Eric chegou a ser detido, mas negou a participação e foi liberado. Quando saiu o mandado de prisão temporária ele já estava foragido.

O material coletado no carro e no taco de beisebol está sendo analisado pelo Instituto Médico Legal (IML) de São Paulo. A investigação mantém em sigilo motivação do crime e a identidade do outro suspeito.

Eric se apresentou, acompanhado do advogado, a policiais da Delegacia Seccional de Mogi-Guaçu. Depois de passar por audiência de custódia, o suspeito foi levado para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Pinheiros, em São Paulo.

O advogado José Pedro Said disse que seu cliente nega o crime e se apresentou voluntariamente para que o pedido de prisão temporária fosse cumprido.

A defesa vai tentar revogar a prisão. A administração de Jaguariúna informou tratar-se de questão de foro privado. Procurada, a vice-prefeita não deu retorno.