Seis USFs estão aptas para ampliação de horário

Iniciativa quer desafogar os prontos-atendimentos nos horários em que essas outras unidades estão fechadas


Seis USFs (Unidades de Saúde da Família) da região estão aptas a aderir ao programa federal Saúde na Hora, sendo quatro em Hortolândia e duas em Sumaré. A iniciativa prevê a ampliação do horário de atendimento, com o objetivo de desafogar os prontos-atendimentos nos horários em que essas outras unidades estão fechadas. A estimativa do ministério é que dois mil postos no país podem aderir ao programa.

A maioria das unidades no modelo de USF (Unidade de Saúde da Família) funcionam 40 horas semanais, com atendimento voltado a consultas, exames e ações de prevenção. Com o programa federal será possível ampliar para 60 ou 75 horas por semana.

O Ministério da Saúde vai repassar um incentivo financeiro às unidades que ampliarem o atendimento, que pode variar de R$ 22,8 mil a R$ 60 mil. O custeio mensal enviado a esses postos também vai aumentar.

Para aderir ao Saúde na Hora é preciso atender a alguns critérios. O primeiro deles é que as unidades funcionem com três ou mais equipes de trabalho. Na região, há quatro unidades em Hortolândia e duas em Sumaré que já funcionam sob essa condição – tanto o Ministério da Saúde quanto as prefeituras foram questionadas sobre quais postos contam com mais de três equipes, mas não informaram.

Além disso, a unidade também deve funcionar com as equipes completas (médico, enfermeiro, odontologista e auxiliar de enfermagem), sem intervalo de almoço, de segunda a sexta-feira, podendo complementar as horas aos sábados ou domingos. A unidade também deve ter o prontuário eletrônico implantado e atualizado.

Americana, Hortolândia, Santa Bárbara d’Oeste e Sumaré – as cidades da RPT (Região do Polo Têxtil) que contam com Unidades de Saúde da Família – informaram que estudam a viabilidade do programa. Apenas Nova Odessa não possui posto nesse modelo.

A Secretaria de Saúde de Americana ainda ressalvou que “ampliar o horário de funcionamento das unidades implica, necessariamente, ampliar também o quadro de servidores”. “Com as unidades funcionando em horário estendido, nós esperamos desafogar os serviços de emergência, como prontos-socorros e UPAs, onde a população busca atendimento em horários em que muitas vezes as Unidades de Saúde da Família estão fechadas, como no horário de almoço ou no fim da tarde, na volta do trabalho”, declarou o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante o lançamento do programa.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora