18 de maio de 2022 Atualizado 14:27

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Região

Região registrou 263 casos de Covid-19 em escolas

Números levam em consideração unidades públicas e particulares; maioria dos casos foi em servidores

Por Ana Carolina Leal

29 Outubro 2021, às 20h00 • Última atualização 29 Outubro 2021, às 20h02

A RPT (Região do Polo Têxtil) registrou 263 casos do novo coronavírus nas escolas desde janeiro. A maioria deles em servidores. Os dados constam no Painel Simed (Sistema de Informação e Monitoramento da Educação para Covid-19), mantido pela Secretaria de Estado da Educação.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

A cidade de Sumaré foi a que mais teve professores, alunos e funcionários contaminados na região. Os dados mostram que dos 87 casos positivos, 17 foram em estudantes, 57 em servidores e 13 em profissionais terceirizados. Os números levam em consideração escolas estaduais e particulares.

Hortolândia aparece em segundo lugar com 62 casos, seguido por Santa Bárbara d’Oeste com 49, Americana com 48 e Nova Odessa com 17. Das 263 confirmações, 60% (158) se deram em servidores.

O Simed apresenta os casos de pessoas que possuem vínculo com a escola como estudantes, servidores e funcionários, dentre eles os professores, e trabalhadores terceirizados.

A elaboração do painel é feita após análises do sistema de monitoramento e o cruzamento de dados da secretaria de Educação com os registros do e-SUS Notifica ou Sivesp-Gripe (Sistema de Vigilância Epidemiológica da Gripe) do Ministério da Saúde.

Para a diretora da Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) na região de Americana, Zenaide Honório, 263 é um número significativo. “É muito grande, mas poderia ter sido evitado se a comunidade escolar tivesse na lista de prioridade na hora da vacinação. E não foi pior porque entramos na justiça e conseguimos que os professores fossem incluídos na lista de prioridade para que retornássemos com uma certa segurança sanitária”, declarou.

Médico infectologista do Hospital PUC Campinas, André Giglio Bueno, afirma que a vacinação com certeza impactou nos números. “Está tendo redução de casos, de hospitalizações, isso às custas da vacina. Mesmo que a gente não tenha conseguido ainda vacinar as crianças menores, só a partir de 12 anos, funcionários e professores estão protegidos. Com isso, há sem dúvida uma diminuição da circulação do vírus nas escolas”.

A partir de 3 de novembro, o Estado não adotará mais o distanciamento nas escolas estaduais. Com isso, 100% dos alunos deverão voltar a frequentar as aulas presenciais.

Publicidade