10 de maio de 2021 Atualizado 22:43

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Aumento

Região registra recorde de divórcios em 2020

Ao todo, 384 atos foram contabilizados no primeiro ano da pandemia, apontada como um dos principais motivos desse aumento

Por Rodrigo Alonso

22 abr 2021 às 07:57 • Última atualização 22 abr 2021 às 13:00

Marcado pelo início da pandemia do coronavírus (Covid-19), 2020 foi o ano com maior número de divórcios na RPT (Região do Polo Têxtil) desde 2007, quando os dados começaram a ser contabilizados pelo CNB/SP (Colégio Notarial do Brasil – Seção São Paulo).

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

Ao todo, 384 casais se divorciaram nas cinco cidades da região em 2020, 4% a mais do ano anterior, quando houve 369 registros. Até então, o recorde tinha sido em 2018, com 377.

Quatro cidades da RPT registraram alta na comparação com 2019: Hortolândia, de 70 para 76 (8,5%); Nova Odessa, de 12 para 15 (25%); Santa Bárbara, de 60 para 63 (5%); e Sumaré, de 61 para 82 (34,4%). Apenas Americana teve queda, de 166 para 148 (10,8%).

O CNB/SP aponta a pandemia como um dos principais fatores que motivaram esse aumento. “Os dados computados pelos tabelionatos paulistas são números que nos levam a crer que a pandemia de Covid-19 teve influência sobre os casais”, afirmou Daniel Paes de Almeida, presidente do órgão.

De acordo com ele, o colégio tem percebido uma “demanda crescente” desde maio, quando o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) autorizou a realização de todos os atos notariais por videoconferência.

Filosofias do cotidiano no blog da Alessandra Olivato.

Segundo Cássio de Ávila Ribeiro Junior, advogado especialista em direito de família, a pandemia provocou mudanças no convívio entre casais, o que pode ter causado separações.

“Casais que antes saíam com amigos, faziam happy hours com colegas de trabalhos, ou até mesmo aqueles que frequentavam bares e casas noturnas só os dois, foram obrigados a cessar este comportamento”, disse.

Inclusive, ele acredita que o número de divórcios, na prática, possa ter sido ainda maior que o registrado. “Recebemos diariamente o relato de muitos casais que se deixam de viver juntos, mas nunca se divorciam de fato [no papel]”, comentou.

Em 2021, segundo dados divulgados pelo CNB/SP ao LIBERAL nesta segunda-feira, a região já registrou 116 divórcios: 41 em Americana, 21 em Hortolândia, dois em Nova Odessa, 23 em Santa Bárbara e 29 em Sumaré.

Publicidade