25 de julho de 2021 Atualizado 16:51

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Região

Região fará barreiras sanitárias e fiscalizará festas clandestinas no feriado

Detalhes da ação do feriado serão discutidos nesta quarta-feira em reunião da Agemcamp com secretários e diretores ligados à área da segurança

Por Marina Zanaki

01 jun 2021 às 15:29 • Última atualização 01 jun 2021 às 16:48

As prefeituras da RMC (Região Metropolitana de Campinas) vão realizar barreiras sanitárias e intensificar fiscalização de festas clandestinas em chácaras no feriado prolongado de Corpus Christi. A ação foi decidida em reunião virtual realizada nesta terça-feira (1°) e tem como objetivo reduzir a circulação da população.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

“O grande problema são as festas clandestinas, em sua maioria, realizadas em chácaras”, explicou o diretor-executivo da Agemcamp, Benjamim Bill Vieira de Souza – Foto: Divulgação

Preocupados com o aumento no número de casos, internações e mortes por conta da pandemia, os prefeitos se reuniram virtualmente nesta terça-feira. As barreiras terão início na tarde de quarta-feira, véspera do feriado, e seguem até domingo.

Os detalhes da ação do feriado serão discutidos nesta quarta-feira em reunião da Agemcamp (Agência Metropolitana de Campinas) com secretários e diretores ligados à área da segurança de cada um dos 20 municípios. Representantes da Polícia Militar e da Polícia Civil também vão participar do encontro virtual.

A Agemcamp explicou que o objetivo é que o trabalho seja semelhante ao realizado entre 26 de março e 4 de abril na RMC, quando as vigilâncias sanitárias e guardas municipais de cada cidade, com apoio da Polícia Militar, promoveram as barreiras em determinados horários do dia e da noite com objetivo de abordar veículos com placas de fora da região, além de aferir a temperatura das pessoas. O trabalho foi chamado de “cinturão regional”.

“Existe uma preocupação grande por conta do recente aumento no número de casos, internações e mortes nas cidades da Região Metropolitana de Campinas. E está bem claro para os prefeitos que o problema não são os restaurantes, o comércio de uma forma geral. O grande problema são as festas clandestinas, em sua maioria, realizadas em chácaras, e até mesmo as reuniões familiares com grande número de pessoas”, explicou o diretor-executivo da Agemcamp, Benjamim Bill Vieira de Souza.

As prefeituras também vão intensificar o trabalho de conscientização junto à população e, caso os números não retrocedam, os prefeitos poderão se reunir novamente já no início da próxima semana para discutir a adoção de medidas mais restritivas.

O prefeito de Jaguariúna e presidente do Conselho de Desenvolvimento da RMC, Gustavo Reis, alertou para a possibilidade de adoção de medidas mais restritivas já na próxima semana, caso os números regionais não retrocedam.

“Algumas cidades, como Hortolândia e Valinhos, por exemplo, estão registrando um aumento muito grande nos casos e nas internações. Em Hortolândia, o número diário de consultas na unidade respiratória passou de 50 para 170, com todos os leitos Covid ocupados. O cenário em vários outros municípios é o mesmo. Então, caso não haja uma melhora rápida, teremos que discutir medidas mais duras, assim como fizeram outras regiões do Estado”, disse Gustavo.

Gosta de descontos? Conheça o Club Class, do LIBERAL

Região

A Prefeitura de Americana confirmou a adesão às medidas e informou que os detalhes sobre as ações serão debatidos pelas forças de segurança da região em reunião a ser agendada para esta quarta-feira.

A Prefeitura de Hortolândia informou ao LIBERAL que, em função da maior procura por serviços de saúde por conta da pandemia, vai intensificar as fiscalizações a estabelecimentos comerciais e chácaras. A cidade vai aumentar as abordagens a pedestres, veículos, realizar blitzes, contudo sem informar os horários ou locais onde tais operações ocorrerão, para não prejudicar a efetividade das mesmas.

Quando for constatado desrespeito às normas sanitárias por parte da população, principalmente em razão de aglomerações, o valor da multa será de no mínimo de R$ 10 mil.

“Salientamos que não são previstas neste momento medidas mais restritivas com relação ao funcionamento do comércio para os próximos dias, contudo a Prefeitura conta com o apoio da população em denunciar irregularidades/aglomerações, contribuindo para que não seja necessária a adoção de medidas mais restritiva, como tem ocorrido em outras cidades”, alertou o município.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

As denúncias em Hortolândia podem ser feitas através dos telefones 153 e 0800 11 1580 da Guarda Municipal. Os telefones operam 24 horas por dia, sete dias por semana.

Até a publicação desta reportagem, as demais prefeituras da RPT não detalharam as ações previstas.

Publicidade