28 de maio de 2022 Atualizado 12:09

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Covid-19

Prefeituras ampliam restrição a festas de carnaval e estudam atestado sanitário

Medida inclui eventos que seriam realizados em clubes, bares e blocos de rua, e foi motivada pela alta de casos de internações por Covid-19

Por Ana Carolina Leal

18 Janeiro 2022, às 08h33 • Última atualização 18 Janeiro 2022, às 10h25

Os 20 municípios que compreendem a RMC (Região Metropolitana de Campinas) decidiram, em reunião nesta segunda-feira (17), vetar todos os eventos de carnaval deste ano, incluindo aqueles que seriam realizados em clubes, bares e por meio de blocos.

A medida foi motivada pela alta de casos de internações por Covid-19. No final de novembro do ano passado, os prefeitos anunciaram a suspensão do carnaval em 2022 para as festas subsidiadas pelas administrações municipais. O veto, agora, foi estendido para os eventos particulares.

Entre as cidades que compõem a RMC estão Americana, Santa Bárbara d’Oeste, Nova Odessa, Sumaré e Hortolândia.

Encontro reuniu prefeitos de 20 cidades – Foto: Beatriz Costa / Prefeitura de Americana

De acordo com o diretor-executivo da Agemcamp (Agência Metropolitana de Campinas), Odair Dias, a intenção também é criar junto aos municípios um sistema de orientação para a população saber quando e qual unidade de saúde procurar quando apresentar sintomas gripais.

“As pessoas, às vezes, acabam se confundindo e não sabem se procuram UBS [Unidade Básica de Saúde], UPA [Unidade de Pronto-Atendimento], PS [pronto-socorro]. Os municípios vão intensificar essas orientações”, declarou Dias.

Outra reunião está prevista nesta quarta-feira, na sede da Agemcamp, em Campinas. Responsáveis técnicos da área da saúde dos municípios devem discutir medidas de reduzir o fluxo de atendimento nas unidades de saúde.

A ideia é de que as cidades do grupo adotem um atestado sanitário com modelo inspirado no documento aplicado em Campinas ou alternativa semelhante.

O atestado é concedido por autoridades sanitárias ligadas à Vigilância em Saúde para quem apresenta dois ou mais sintomas de síndrome respiratória.

A solicitação pode ser feita pelo telefone 160 ou por site oficial, e ela é direcionada para um profissional de saúde, que entra em contato com o paciente pelo telefone registrado. Os dados são avaliados e o atestado é enviado em até 24 horas, por e-mail, com validade de três dias.

“Campinas está fazendo isso para reduzir a quantidade de pessoas nas unidades de saúde. E é isso que vamos discutir na reunião de quarta-feira, medidas para redução de contingente nos pontos de atendimento porque os números de consultas são considerados altíssimos, muito além da normalidade”, afirmou Dias.

Publicidade