População negra ocupa 22% da força de trabalho na RPT

Para especialista em varejo e mercado de consumo, os números refletem o início de uma mudança positiva no mercado de trabalho do País


Apesar de aumentar ligeiramente sua presença no mercado de trabalho de 2017 para 2018, enquanto a participação de brancos caiu, a população preta, parda e indígena ainda representa apenas 22% da força de trabalho na RPT (Região do Polo Têxtil). Em 2017, essa participação era de 21%.

Receba as notícias do LIBERAL pelo WhatsApp

Já a quantidade da população branca que é empregada caiu de 69% para 67% neste período. Os números são do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério do Trabalho e Emprego.

De acordo com o último censo realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), feito em 2010, a RPT era composta por uma população 65,5% branca e 34,5% preta, parda e indígena.

Foto: Marcelo Rocha / O Liberal
Da esq. pra dir: as cooperadas Iracema de Araujo, Ilma Azevedo, Anakely Carvalho, Elisabete Matos, Marta Gama (à frente), Camila Assis e Ananda Rocha

Segundo Carlos Alberto Zem, especialista em varejo e mercado de consumo e professor de administração da Unimep, os números refletem o início de uma mudança positiva no mercado.

“O Brasil começa a colher resultados de ações administrativas adotadas em anos anteriores, que resgatam a inclusão dos negros no mercado de trabalho e em outros tipos de esfera”, justificou.

Ouça o “Além da Capa”, um podcast do LIBERAL

Marta Gama, de 19 anos, trabalha na cooperativa de recicláveis “Juntos Somos Mais Fortes”, em Santa Bárbara d’Oeste. Ela conta que já teve dificuldade para encontrar trabalho.

“O que a gente sente é que na hora de contratar não acontece um racismo, mas uma exigência de padrão, que inclui boa aparência, cabelo liso, beleza, um estilo que eles já aprenderam a buscar e não encontram quando olham para algumas pessoas que nem a gente”, disse Marta, de 19 anos.

“Cor, estilo de vida e gênero não é e nem nunca foram sinônimos de capacitação profissional. Precisamos superar essas questões e nos preocupar com o que realmente importa, que é a abertura de espaço para que cada vez mais a diversidade e a inclusão façam parte das empresas”, defende Zem.

* Estagiária Maíra Torres, sob supervisão de João Colosalle.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora