29 de novembro de 2020 Atualizado 12:13

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Empresário

Morto em tiroteio foi investigado por corrupção com policiais em Americana

João Dias Junior também chegou a ser condenado a dois anos e oito meses de prisão por corrupção ativa

Por Leonardo Oliveira

01 ago 2020 às 08:37 • Última atualização 01 ago 2020 às 08:38

O empresário João Dias Junior, morto nesta quinta-feira após troca de tiros com policiais civis em uma chácara de Nova Odessa, foi investigado junto com outros policiais no âmbito da operação Fusca Amarelo, que prendeu moradores e agentes de segurança por envolvimento em furtos, roubos e receptação de veículos na região.

Empresário e a esposa foram mortos em troca de tiros com a polícia, em chácara localizada em Nova Odessa – Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

João não era réu por crimes da Fusca Amarelo, especificamente, mas teve uma conversa por telefone interceptada com um carcereiro suspeito de participar do esquema. O primeiro contato entre eles foi realizado na manhã do dia 13 de setembro de 2017.

O empresário era investigado em um caso de estelionato ocorrido em Limeira e passaria por um interrogatório. Por isso, queria ter acesso a uma carta precatória que continha as 24 perguntas que seriam feitas pela autoridade policial durante o procedimento.

O carcereiro conseguiu o documento para João e combinou uma data para a entrega. Para isso, enviou um outro funcionário público a um posto de combustível de Americana – no encontro, o empresário pagou R$ 1 mil pela carta precatória.

A ação foi fotografada por policiais, que abordaram João logo na sequência do ocorrido. Em seu carro estava o documento com o conteúdo do interrogatório e uma arma de fogo, a qual ele não estava autorizado a carregar.

João chegou a ser condenado em 2018 a dois anos e oito meses de prisão, em regime aberto, por corrupção ativa. Só que o STJ (Superior Tribunal de Justiça) julgou que as interceptações telefônicas usadas como prova eram nulas, por isso a 1ª Vara Criminal de Americana “absolveu” os investigados da sentença.

O empresário e sua esposa foram mortos quando a Polícia Civil cumpria um mandato de busca e apreensão onde eles moravam, na região da Chácaras Recreio Represa – eles eram investigados pelos crimes de estelionato e lavagem de dinheiro.

Publicidade