07 de julho de 2020 Atualizado 21:53

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Covid-19

Mortes por coronavírus mais do que dobram entre abril e maio na região

No mês passado, 26 moradores da região perderam a vida por conta da doença; em abril foram 12 e junho já registrou cinco mortes

Por Marina Zanaki

06 jun 2020 às 07:51 • Última atualização 06 jun 2020 às 11:41

Pneumologista lembrou que cerca de 80% das pessoas que entrarem em contato com o vírus terão quadro leve ou mesmo assintomático - Foto:

"The Chancellor Rishi Sunak visits a coronavirus testing laboratory in Leeds" by HM Treasury is licensed under CC BY-NC-ND 2.0

As mortes pelo novo coronavírus (Covid-19) mais que dobraram em maio na RPT (Região do Polo Têxtil) na comparação com abril.

No mês passado, 26 moradores da região perderam a vida por conta da doença. Em abril, haviam sido 12. Em junho, já foram registradas cinco mortes.

A primeira morte por Covid-19 na região foi registrada em março – naquele mês, foram duas vítimas fatais, uma em Americana e outra em Nova Odessa.

Hortolândia tem 18 mortes e é a cidade com maior mortalidade. Dez mortes foram em maio. Sumaré aparece na sequência, com 12 mortes, nove registradas em maio.

Nove moradores de Americana morreram por conta da doença. Em maio, foram três mortes, mesmo número que havia sido registrado em abril.
Santa Bárbara e Nova Odessa tiveram, respectivamente, quatro e duas mortes.

Pneumologista da Unicamp e membro da Sociedade de Pneumologia e Tisiologia, Ricardo Siufi lembrou que cerca de 80% das pessoas que entrarem em contato com o vírus terão quadro leve ou mesmo assintomático.

Ele alertou que os outros 20% vão desenvolver uma doença grave – desses, 15% vão precisar de internação e 5% vão precisar de UTI (Unidade Terapia Intensiva) e podem evoluir para óbito.

“Por isso que se pensa muito na colapsibilidade do sistema. Quanto mais gente pegar a Covid-19, mais a estatística vai levar doentes para a UTI. Estamos falando de uma doença que não tem tratamento específico na literatura”, alertou o médico.

COMORBIDADES. A presença de comorbidades estava em 86% das pessoas que morreram de coronavírus na região.

As doenças mais comuns relatadas na RPT associadas à mortalidade por Covid-19 são hipertensão, diabetes e cardiopatias.

“O organismo de pessoas com comorbidades, como diabetes e hipertensão, pode ter complicação da doença. Quando ele tem inflamação grave por coronavírus, às vezes não consegue se recuperar porque já é grave por si só, não tolera procedimentos como intubação, remédio para aumentar a pressão em UTI”, disse o pneumologista.

Americana registrou mais 17 casos positivos de coronavírus nesta sexta, alcançando 158 positivos, dos quais 113 estão curados.

Podcast Além da Capa
A relação de Americana com Santo Antonio, o padroeiro da cidade, completa 120 anos em 2020, mas a festividade em torno da data foi forçada a ser revista por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Desde o início da quarentena, em março, as missas realizadas na Basílica Santuário Santo Antonio de Pádua não contam com a presença de fieis dentro da igreja, por conta do isolamento social, mas o contato é mantido por transmissões pelo Facebook. Nesse episódio, o editor Bruno Moreira conversa com o administrador paroquial da basílica, o padre Valdinei Antonio da Silva. A necessidade do cancelamento de outros eventos da comunidade católica, como as festas de São João de Carioba e do Senhor Bom Jesus, também é abordada com os padres Marcos Ramalho e Marcelo Fagundes.