28 de novembro de 2021 Atualizado 09:37

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Região

Mortalidade infantil tem menor índice desde 2016

Dados mostram segunda queda seguida de mortes em Americana no ano passado; região também apresenta queda

Por *Natália Velosa

21 nov 2021 às 08:51 • Última atualização 21 nov 2021 às 09:15

bitos de crianças de até um ano caíram em 2020 em Americana - Foto: Pixabay - CC

Americana atingiu em 2020 a menor mortalidade infantil dos últimos cinco anos, com 6,59 óbitos de menores de até um ano de idade a cada mil nascidos vivos. Os dados são da Fundação Seade.

No ano anterior, em 2019, a cidade alcançou o índice de mortalidade infantil de 7,13 óbitos a cada mil nascidos vivos. Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), indicadores menores de 20 por mil nascidos vivos são considerados baixos.

Um dos motivos para a queda em 2020, segundo a Vigilância Epidemiológica de Americana, é a pandemia. As restrições de mobilidade e a suspensão de aulas presenciais nas escolas explicam em grande parte a diminuição nas taxas de infecção por agentes patogênicos transmissíveis, o que de certa forma colaborou com a redução da mortalidade infantil.

Dentre os óbitos de neonatais precoces em 2020, ou seja, mortes de zero a seis dias de vida completos, Americana registrou 3,29 a cada mil nascidos vivos. Considerado este o componente principal do indicador para a mortalidade infantil, a vigilância diz que as mortes relacionadas estão associadas a problemas de parto, fatores maternos diversos e problemas congênitos ou genéticos, mas que são óbitos esperados.

Já nos números de neonatal tardia, óbitos ocorridos entre sete e 27 dias de vida completos, o índice alcançou 0,41. Nos óbitos entre um mês e um ano de vida, o pós-neonatal, a taxa foi de 2,88. Os dados foram divuglados

Questionada sobre as ações no município, a Prefeitura de Americana diz que cumpre com os protocolos de atendimento do Ministério da Saúde para as gestantes, puérperas e crianças.

Afirma também que são realizadas atividades educativas e de orientação nas unidades básicas com grupos de gestantes, consulta médica e consulta de enfermagem. Entretanto, as atividades educativas seguem suspensas desde o início da pandemia.

Além disso, há uma equipe multidisciplinar que atua no Programa Mamãe Nenê, com foco na prevenção de doenças e promoção da saúde. Esta equipe recebe as mães e seus bebês, após a alta da maternidade, e inicia o acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança até completar três anos de idade.

Mortalidade – Foto:

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Santa Bárbara vive queda, mas óbito é o maior da região

O maior índice de mortalidade infantil na RPT, em 2020, ocorreu em Santa Bárbara d’Oeste, com 10,51 óbitos a cada mil nascidos vivos. Em ordem decrescente, Sumaré atingiu 9,73, Hortolândia, 9,19 e Nova Odessa, 7,91.

Questionada, a Secretaria de Saúde de Santa Bárbara diz considerar uma taxa de redução significativa comparada ao ano de 2019, saindo de 13,41 para 10,51, o que “evidencia a resolutividade de ações de saúde no âmbito da prevenção”.

A secretaria informou ainda que há uma frente de serviços voltados à prevenção da mortalidade infantil por meio de ações integradas entre diversos setores, como a Atenção Básica, Vigilância em Saúde, Centro de Referência em Saúde da Mulher, NES (Núcleo de Educação em Saúde), além da parceria com o Hospital Santa Bárbara.

Em relação ao ano de 2019, Nova Odessa teve a maior diferença registrada na região, após ter alcançado 17,39 óbitos a cada mil nascidos vivos em 2019. Nos óbitos de neonatal tardia, o município zerou os casos em 2020.

Hortolândia também teve queda, com taxa de 11,46, em 2019, para 9,19, em 2020. Sumaré foi a única que teve aumento, saindo de 8,29 para 9,73 entre os dois últimos anos.

As secretarias de saúde de Nova Odessa, Hortolândia e Sumaré não responderam até a publicação dessa reportagem sobre as medidas preventivas nos municípios.

*Estagiária sob supervisão de João Colosalle

Publicidade