30 de maio de 2020 Atualizado 17:18

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Crise

Lojistas descrevem fiasco nas vendas para o Dia das Mães

Shoppings da região apostaram no sistema drive thru como alternativa, mas procura por produtos tem sido muito baixa

Por George Aravanis

09 Maio 2020 às 08:48 • Última atualização 09 Maio 2020 às 10:24

Shoppings da região apostaram no sistema de drive-thru para reduzir o impacto da quarentena na semana do Dia das Mães, mas lojistas ouvidos pelo LIBERAL relataram que as vendas foram um fiasco até ontem.

O modelo permite que o cliente entre em contato via WhatsApp ou telefone com o comércio, encomende o produto e vá buscar no estacionamento, sem entrar no shopping.

No sistema drive-thru pagamento pode ser feito online ou na hora – Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

O movimento nas lojas contatadas pela reportagem não chegou nem a 10% do que seria esperado para este período do ano se não fosse a pandemia.

“Não vamos conseguir nem 2% da nossa meta”, disse Vanessa Britto, gerente de uma loja de bolsas, botas e acessórios no Tivoli Shopping.

Vanessa contou que a unidade, de uma marca de rede, até ofereceu descontos maiores que o normal, mas não adiantou.

“Está horrível, não tem uma coisa mais clara para falar”, relatou a vendedora de outro estabelecimento.

Ana Karen Fernandes Lima, gerente de uma loja de perfumes no Shopping Hortolândia, contou que só conseguiu vender o primeiro produto da semana na quinta-feira.

Débora Vieira, proprietária de um comércio de bolsas e acessórios no mesmo centro comercial, disse que também ficou alguns dias sem faturar nada.

A comerciante conta que ainda não tinha um sistema efetivo de vendas online, e que, por causa da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), teve de colocá-lo em prática “na marra”. Infelizmente não foi como a gente esperava”, lamentou a lojista.

Adriana Ferreira, uma das proprietárias de uma loja de cosméticos no ParkCity Sumaré, diz que as vendas têm representado apenas cerca de 5% do que o comércio faturou nos primeiros meses do ano.

“Por mais que o shopping tenha divulgado, tivemos pouca procura. O pessoal realmente está segurando um pouco pra gastar”, afirmou.

No sistema drive-thru adotado pelos três shoppings, o pagamento pode ser feito antes, por meio online, ou na hora da entrega, dependendo do comércio.

Pesquisa da Fecomércio SP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo) prevê uma queda de 31% nas vendas nos dez primeiros dias de maio nos segmentos mais ligados à data em 30 cidades da região de Campinas, incluindo as da região, em comparação com o mesmo período de 2019.

Em algumas áreas, a queda projetada é mais drástica – 73% a menos nas lojas de roupas, tecidos e calçados, e de 92% em comércios de móveis e decoração.

A reportagem procurou os três shoppings antes de ouvir os lojistas e perguntou sobre expectativas de vendas. O Tivoli informou que não comenta.

O shopping de Sumaré afirmou que, como é a primeira experiência neste modelo, não seria possível informar expectativas. O Shopping Hortolândia disse que monitora o dia a dia, mas que ainda não tinha números para passar.