11 de agosto de 2020 Atualizado 22:00

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Combustível

Ipem identifica três postos com irregularidades em Sumaré e Hortolândia

Volume contabilizado nas bombas de combustível era maior que o total realmente abastecido nos veículos

Por Rodrigo Alonso

14 jul 2020 às 18:01 • Última atualização 23 jul 2020 às 15:17

O Ipem-SP (Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo) identificou três postos de combustível com irregularidades em Sumaré e Hortolândia, nesta terça-feira (14). Nos estabelecimentos, o volume contabilizado nas bombas era maior do que o realmente abastecido.

As informações são do delegado regional do Ipem em Campinas, Rogério Nogueira da Silva. O nome e o endereço dos postos ainda não foram revelados.

Ação foi realizada em conjunto com a Polícia Civil de Americana – Foto: Polícia Civil / Divulgação

Ao todo, o instituto interditou 12 bicos que, de acordo com o delegado, apresentavam prejuízos ao consumidor. O Ipem encontrou os problemas em dois postos de Sumaré e um de Hortolândia.

Rogério destaca, porém, que esse prejuízo não se configura como fraude. A cada 20 litros, os postos cobravam a mais, no máximo, 180 mililitros. O crime de fraude só acontece quando essa diferença supera 600 ml.

Mesmo assim, o Ipem autuou os três estabelecimentos. O valor das multas depende de uma análise que será feita pelo departamento jurídico do instituto. “Eu já vi autuações que chegaram desde R$ 3 mil e autuações que passaram de R$ 20 mil para esse tipo de irregularidade”, diz o delegado.

Ao todo, sete postos passaram por fiscalização nesta terça: quatro em Sumaré e três em Hortolândia. O Ipem agiu em conjunto com o Ministério Público de São Paulo, DIG (Delegacia de Investigações Gerais) e Delegacia Seccional de Americana, Procon e a GCM (Guarda Civil Municipal) dos respectivos municípios.

FRAUDE
Em 25 de junho, houve uma operação semelhante em Americana e Santa Bárbara d’Oeste. Naquela ocasião, em Americana, os agentes flagraram um posto que, a cada 20 litros abastecidos, cobrava 1,6 litro a mais.

Nesse caso, como se tratava de uma fraude, a DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Americana) elaborou um RDO (Registro Digital de Ocorrência) sobre crime contra relação de consumo.