Hortolândia perde dois profissionais do programa Mais Médicos

Foram as únicas baixas na região depois da saída dos médicos cubanos; em todo o país, dos 8.517 contratados, 1.052 já saíram


Foto: Prefeitura de Hortolândia - Divulgação
Ambos atuavam em Hortolândia e desistiram do trabalho pois não se adaptaram

Dos 8.517 profissionais do Mais Médicos que preencheram vagas deixadas por cubanos após o desligamento do país caribenho do programa federal, 1.052 abandonaram os postos. Na RPT (Região do Polo Têxtil), foram dois médicos que se desligaram.

Ambos atuavam em Hortolândia e desistiram do trabalho pois não se adaptaram. Em toda a região, 43 médicos brasileiros ocuparam as vagas deixadas por cubanos na atenção básica – além dos 18 de Hortolândia, nove em Nova Odessa, dez em Sumaré e seis em Santa Bárbara d’Oeste.

A Prefeitura de Hortolândia informou que um dos médicos foi substituído, mas o Ministério da Saúde disse que a oferta das vagas dos profissionais que deixaram o Mais Médicos “poderão ser ofertadas em novas fases do provimento de profissionais ainda em análise”.

“Os profissionais do Mais Médicos em Hortolândia não têm local fixo de trabalho, sendo que eles atuam em diversas unidades de saúde da cidade. Atualmente, não há nenhuma UBS (Unidade Básica de Saúde) sem médico”, garantiu a prefeitura.

Cuba decidiu em novembro de 2018 se desligar do Mais Médicos após declarações do presidente Jair Bolsonaro (PSL), nas quais ele disse que “expulsaria” profissionais daquele país com base no exame de revalidação de diploma de médicos formados no exterior.

Santa Bárbara d’Oeste perdeu este ano um profissional do Mais Médicos que atuava na UBS Planalto do Sol. Ele não fazia parte do grupo reposto recentemente com a saída dos cubanos. O município conta hoje com sete médicos do programa. Segundo o Ministério da Saúde, “a vaga poderá ser resposta em um outro momento, ainda em análise”.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!