09 de maio de 2021 Atualizado 19:15

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Região

Flexibilização às vésperas do Dia das Mães anima comerciantes da região

Comércio dos municípios da RMC deve faturar 14% a mais este ano do que no mesmo período de 2020, estima Acic

Por Heitor Carvalho

04 Maio 2021 às 07:42 • Última atualização 04 Maio 2021 às 07:44

Em Santa Bárbara, presidente da Acisb espera aumento de até 40% nas vendas neste mês - Foto: Ernesto Rodrigues - O Liberal

A flexibilização do horário de funcionamento das lojas às vésperas do Dia das Mães trouxe esperança ao comércio da região. O otimismo em relação às vendas desse ano foi confirmado pelas associações comerciais dos municípios da RPT (Região do Polo Têxtil).

Segundo a Acia (Associação Comercial e Industrial de Americana), a expectativa dos comerciantes é de crescimento nas vendas em relação ao ano passado por conta da flexibilização da fase de transição do Plano São Paulo, que permitiu que o comércio voltasse a atender das 9 às 18 horas.

Assim como em Americana, o comércio de outras cidades da região, como Nova Odessa, Santa Bárbara e Sumaré, também vai abrir em horário especial no sábado, véspera do Dia das Mães, das 9 às 18 horas.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

“Além de proporcionar mais tempo para o consumidor fazer suas compras, as lojas abertas em horário estendido diminuem a possibilidade de aglomeração, medida importante neste momento de pandemia que vivemos”, explica Wagner Armbruster, presidente da ACIA.

“Na pandemia as pessoas, filhos e filhas, estão mais emotivas e a tendência a valorizar as mães deve estar motivando oferecer presentes. Os consumidores também podem optar pela compra online ou por telefone, e continuar recebendo os produtos em casa ou por retirada”, concluiu.

João Batista de Paula Rodrigues, presidente da Acisb (Associação Comercial e Industrial de Santa Bárbara d’Oeste), é ainda mais otimista e espera um aumento de 30% a 40% nas vendas do comércio do município no mês do Dia das Mães desse ano, em relação ao mesmo período do ano passado.

“A expectativas são boas. A gente estava esperando há muito tempo e ainda bem que veio essa liberação do horário, o que para nós é muito importante. No ano passado a situação foi muito difícil, já que estávamos no início da pandemia. Essa nova abertura que o governo concedeu está dando um novo ânimo”, afirmou.

Para a administração do Tivoli Shopping, também localizado em Santa Bárbara, a flexibilização do horário de atendimento veio em boa hora para o estabelecimento comercial.

“Esperamos um Dia das Mães com bons resultados, pois a data é considerada a segunda melhor do ano para o comércio varejista, ficando atrás apenas do Natal. Assim, a estimativa é de que os lojistas do shopping conquistem um bom incremento em suas vendas”, afirmou a empresa em comunicado.

Em Sumaré, a expectativa é de um aumento de 10% nas vendas. Juarez Pereira da Silva, presidente da Acias (Associação Comercial e Industrial de Sumaré), acredita que muitos consumidores estão com demandas represadas e que devem aproveitar este período para ir às compras

“A alta deve acontecer principalmente por causa da flexibilização do horário de funcionamento das lojas na fase de transição. Este ano o comércio está com as portas abertas, ao contrário do que ocorreu no ano passado”, afirmou.

Em nota, a Aciah (Associação Comercial e Industrial de Hortolândia) afirmou que a expectativa é de um aumento de 5% até 7% nas vendas, quando comparado com o Dia das Mães do ano passado. “O comércio espera ansioso por essa data e está contente com a reabertura”, concluiu o comunicado.

Para Juçara Rosolen, presidente da Acino (Associação Comercial e Empresarial de Nova Odessa), a expectativa é de otimismo para as vendas no varejo, por ser uma data de grande importância.

“Fizemos uma rápida pesquisa com alguns comerciantes da cidade e eles tem uma expectativa de 15% de aumento nas vendas principalmente porque em 2020 o comércio estava fechado. Mesmo com aumento nas vendas, no entanto, o comércio está longe de recuperar o prejuízo nesse longo período de pandemia”, afirmou.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

RMC

A Acic (Associação Comercial e Industrial de Campinas) estima que o faturamento do comércio da RMC (Região Metropolitana de Campinas) deve ser 14% maior que o registrado no mesmo período do ano passado.

Segundo a entidade, na RMC a movimentação financeira nas vendas físicas relativa à data deverá ser de R$ 211,5 milhões em 2021, acima dos R$ 185,5 faturados na data, em 2020. No ano passado, o Dia das Mães apresentou uma perda de 54,2% em relação ao mesmo período de 2019 na região.

Na avaliação do economista da Acic, Laerte Martins, considerando o achatamento do poder de compra devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o valor médio do presente é estimado em R$ 240 , uma expansão de 4,35% sobre o valor de R$ 230,00 gastos em 2020.

O longo período de proibição das vendas presenciais também estimulou o e-commerce. As vendas digitais deverão se expandir em 25,5% sobre R$ 157,3 milhões de 2020 registrados no ano passado, atingindo R$ 197,4 milhões.

Os segmentos mais procurados nas vendas físicas devem ser, principalmente, perfumarias, vestuários, calçados e floriculturas. Nas vendas digitais a preferência aponta para os eletroeletrônicos, celulares e notebooks.

Estado de São Paulo

Em uma pesquisa realizada pela FCDLESP (Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo), os lojistas paulistas também traçaram um cenário otimista e disseram esperar crescer o volume de vendas no período comemorativo.

“Com os estabelecimentos abertos e uma maior flexibilidade do horário de funcionamento, em comparação com o ano passado, as vendas devem crescer entre 20% e 25%”, afirmou o presidente da FCDLESP, Mauricio Stainoff.

Apesar da perspectiva de crescimento, que leva em consideração o bom desempenho da data nos últimos anos, o presidente da FCDLESP alerta que, no balanço trimestral, o varejo no estado deve apresentar declínio.

“Apesar de ser um aumento expressivo, em 2020, as lojas físicas venderam 25% a menos que em 2019. Estimamos uma melhoria no caixa das lojas e que a retomada econômica para o varejo venha no quarto trimestre”, finaliza Stainoff.

Publicidade