16 de setembro de 2021 Atualizado 12:44

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Golpe

Falsa vendedora de produtos importados faz vítimas em Americana e Santa Bárbara

Grupo estima prejuízo acima de R$ 25 mil com compras que não foram entregues; polícia investiga

Por Pedro Heiderich

27 jun 2021 às 09:10

Polícia Civil investiga denúncias em Americana – Foto: Marcelo Rocha – O Liberal.JPG


Uma falsa vendedora de produtos importados, já fez dez vítimas em Americana e Santa Bárbara d’Oeste. A suspeita teria agido em outras regiões do estado, como Sorocaba, que seria sua cidade natal, e é investigada pela polícia.

As vítimas pagaram por celulares, tênis, roupas e suplementos de academia, dentre outros produtos, sem nunca ter recebido pelas mercadorias. A suspeita mantinha contato e inventava desculpas para tentar iludir as vítimas.

O LIBERAL falou com um grupo de nove pessoas, todos colegas de trabalho, moradores de Americana e Santa Bárbara. Eles estimam prejuízo, somando todos, acima de R$ 25 mil.

“Fora esse valor gasto por nós, soubemos de outras pessoas de Americana que gastaram mais de R$ 20 mil”, conta o porta-voz do grupo, que atendeu a reportagem.

A golpista procura as vítimas pelas redes sociais, oferecendo produtos dos Estados Unidos por preços mais baratos do que o comum.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Em fevereiro, um dos colegas de trabalho foi contatado por ela e o grupo escolheu diversas mercadorias e fizeram depósitos bancários na conta da suspeita. “Ela nos informou que levaria de 30 a 40 dias para os produtos chegarem em nossas casas”.

Passado o período, eles começaram a desconfiar.

“Sempre que falávamos com ela era uma desculpa diferente. Uma vez era porque os produtos estavam vindo de navio. Depois, ela disse que estava sofrendo ameaças de morte por ter atrasado outros pedidos”, conta a vítima.

Eles ameaçaram chamar a polícia e foram enganados com outra desculpa.
A golpista mandava fotos de produtos e caixas de mercadoria, dizendo que chegaram em Curitiba, mas que estavam parados no porto local por conta da pandemia do coronavírus (Covid-19).

Em maio, o grupo começou a cobrar o estorno dos valores que somaram R$ 25 mil. A falsa vendedora alegou que tinha sido vítima de um golpe de um parente próximo que era sócio dela, e que por isso não tinha os produtos ou dinheiro para fazer o estorno.

“Agora em junho ela chamou todos e disse que ia fazer o estorno, de forma parcelada. Quando perguntamos novamente, ela disse pra gente procurar advogado ou aguardar, pois ela não tinha o dinheiro”.

Nesta semana, foi noticiado em rede nacional que a golpista aplicava golpes semelhantes no estado, quando o grupo teve a certeza do golpe. “Alguns já tinham feito boletim de ocorrência, outros vão fazer”, relata o porta-voz.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter



O grupo pede atenção para evitar este tipo de golpe. “Não pagar adiantado e não acreditar em negócios muito favoráveis. Pelo que passamos e vimos, o barato sai caro. Busquem o máximo de informações possíveis e relato de pessoas que já compraram e receberam os produtos”, destaca.

A reportagem não conseguiu contatar a suspeita.

Em nota, a SSP (Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo), declarou que foram registrados boletins de ocorrência por estelionato contra a suspeita que serão investigados pelo 2º e 3º DP (Distrito Policial) de Americana.

“As vítimas serão intimadas para prestar informações e ofertar representação criminal. Uma terceira ocorrência foi registrada e será investigada pelo 8º DP de Sorocaba”.

Região é alvo
Há cerca de um mês, uma auxiliar administrativa de 39 anos, suspeita de ser uma estelionatária que dá o golpe do “falso depósito” e fez diversas vítimas na região foi presa em Santa Bárbara, no Jardim das Orquídeas.

No entanto, juiz expediu alvará de soltura e a auxiliar suspeita de estelionato vai responder pelo crime em liberdade.

Publicidade