Entre janeiro e junho, PM recebeu 58 mil trotes na região

A cada dez ligações atendidas pelo 190, pelo menos uma relata um crime falso em área do CPI-9, que abrange 52 municípios, dentre eles, os cinco da RPT


Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal.JPG
Sede do Centro de Operação da Polícia Militar em Piracicaba

Das 590.685 mil ligações feitas entre janeiro e junho deste ano para o CPI-9 (Comando de Policiamento do Interior) de Piracicaba, que atende 52 municípios da região, dentre eles os cinco da RPT (Região do Polo Têxtil), 58 mil foram trotes (9,9%). Em Americana, criminosos utilizaram de ligações falsas para praticarem roubos entre março e maio.

Do número total, 41 mil trotes foram praticados por adultos e quatro mil por crianças – o mês com o maior índice é janeiro, com 127 mil. “É um número muito alto. Em países desenvolvidos, isso é considerado um absurdo, a legislação é muito mais rigorosa com esse tipo de ação”, avaliou o tenente-coronel Luiz Horácio Raposo Borges de Moraes, que comanda o 19° BPMI, batalhão da PM em Americana.

A unidade compreende as cidades de Americana, Artur Nogueira, Cosmópolis, Engenheiro Coelho e Santa Bárbara d’Oeste. Para Horácio, esse tipo de crime afeta o trabalho da polícia, já que em cada ocorrência falsa, viaturas são deslocadas para o suposto local do crime e prejudicam o efetivo disponível para reais emergências.

Em Americana, cinco homens foram presos em 30 de abril após terem passado um trote para a PM antes de praticarem um roubo a uma joalheria no calçadão do centro de Americana – ainda foi apontada a ligação deles com um outro roubo no município, ocorrido em 26 de março, com a utilização da mesma estratégia.

Eles ligaram anunciando um roubo a residência em andamento em uma região específica da cidade – enquanto as viaturas foram deslocadas para a falsa ocorrência, os indivíduos aproveitaram o desfalque no efetivo policial disponível para cometer o crime.

Já em Santa Bárbara d’Oeste, um boletim de ocorrência foi registrado pela própria Polícia Militar no dia 18 de maio denunciando seguidos trotes realizados pela mesma pessoa, que dizia haver um roubo a residência em andamento.

Além dos boletins, outro procedimento adotado pela PM é acionar o Ministério Público quando há várias tentativas de trote – o órgão busca identificar os infratores e submetê-los a uma acusação por falsa comunicação, que prevê detenção de um a seis meses, ou multa.

A corporação ressalta, porém, que na maioria das vezes os atendentes conseguem perceber a falsa ocorrência, evitando deslocamento de viaturas. “O trote ocupa uma linha telefônica, sendo assim, quando uma pessoa está sendo vítima de roubo, estupro, agressão, ela pode não conseguir acesso ao serviço de emergência pois alguém está brincando com essa linha telefônica”, diz a PM.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora