20 de junho de 2021 Atualizado 20:54

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Região

Em SP, Paulínia paga R$ 8,8 mil a professor e tem concurso cobiçado

Na lista de salários mais altos, o município supera com folga o segundo colocado, Jundiaí, que paga piso de R$ 5,8 mil

Por Agência Estado

14 dez 2020 às 13:10 • Última atualização 14 dez 2020 às 16:12

Em Paulínia (SP), um professor com jornada de 40 horas começa a carreira recebendo R$ 8,8 mil por mês. É o maior piso salarial para professores em São Paulo, segundo dados do Tribunal de Contas do Estado (TCE-SP). O valor é reflexo dos impostos pagos pela refinaria da Petrobrás, que elevam o orçamento da cidade para R$ 1,5 bilhão, e da obrigatoriedade de gastar 25% da receita com educação.

Na lista de salários mais altos, o município supera com folga o segundo colocado, Jundiaí, que paga piso de R$ 5,8 mil. A secretária de Educação de Paulínia, Meire Müller, sabe que desfruta de uma situação privilegiada. Enquanto o piso fixado por lei está em R$ 14,4 por hora de trabalho, a cidade paga R$ 41,1. A vizinha Sumaré – a 23 quilômetros de distância e com o triplo de moradores – paga R$ 15,7. O resultado é uma “invasão” quando Paulínia abre concurso público. O último, realizado em 2018, teve concorrência de mais de mil candidatos por vaga. Os hotéis ficam lotados e é preciso emprestar escolas das cidades vizinhas para realizar as provas.

A rede municipal de ensino em Paulínia consegue ter em seus quadros profissionais como Luiz Gustavo Bonatto Rufino, de 31 anos, doutor em educação física que dá aula para crianças de 6 a 11 anos. Quando assumiu a vaga, em 2018, ele foi designado para uma escola em uma área mais periférica, em que as quadras não tinham cobertura. Lá, desenvolveu o projeto “Ressignificando as visões sobre o corpo”.

A ideia surgiu quando percebeu que crianças muito novas já tinham problemas de aceitação e autoimagem. Primeiro ele pediu que escrevessem o que gostavam e o que não gostavam em si mesmas. Recebeu respostas como “eu não gosto de ser negro e de não ter pais” e “eu me amo, porque sou loira e magra”. Depois de várias intervenções para bater de frente com esses padrões, trabalhou o corpo e suas potencialidades e limitações, motoras e sensoriais, com exercícios lúdicos, como andar de perna de pau. Falou de atletas negros. “Eles nem sabiam quem é o Pelé, mas conheciam o Usain Bolt”, disse. Com o projeto, ganhou o prêmio Educador Nota 10, um reconhecimento nacional, em 2019.

Rufino vê outros professores engajados como ele atuando em Paulínia. Acredita que é reflexo da concorrência no concurso público, mas também do sentimento de valorização da carreira. “Junto com a questão salarial vem um compromisso”, resumiu. Na escola em que trabalha atualmente, a Professor José Dalmo, são desenvolvidos outros projetos de vanguarda. “Tem até cinema, com gravação por drone”, afirmou.

Para Rufino, a situação educacional de Paulínia é resultado de um processo de destinar recursos para o lugar certo. No passado, lembrou, políticos gastavam em obras nababescas, como os portais na entrada da cidade. Hoje, ele vê a valorização dos professores, embora ainda ache que pode melhorar. Mesmo sendo doutor, não recebe adicional e ganha o mesmo valor de um graduado. Ele conta que já requisitou o benefício, também pelo mestrado, mas não obteve resposta. Procurada, a prefeitura de Paulínia não se manifestou sobre o assunto.

Plano

A secretária Meire Müller acredita que a maior evolução no cenário educacional da cidade começou em 2017, quando o plano de carreira mudou a jornada de trabalho para pagamento por hora. Segundo ela, isso foi feito para tentar acabar com a disparidade da remuneração entre quem dá aula para crianças e para adolescentes. “Muitas vezes um professor que tinha perfil para ser alfabetizador ia para o ensino médio só para ganhar mais”, disse.

Atualmente, é possível trabalhar até 54 horas na rede municipal, com salário na casa de R$ 12,5 mil, sem contar os benefícios. A secretária acrescenta que os profissionais têm garantia de tempo remunerado para participar de reuniões, preparar aulas e corrigir provas e trabalhos. “Acredito que o salário não seja a única motivação, mas dá tranquilidade e dignidade ganhar bem pelo trabalho”, afirmou. Na cidade, são 950 professores e 21 mil alunos.

Segundo Meire, não há fila de espera para creche e são poucas as escolas particulares no município . Mas a cidade de 106 mil habitantes está lidando com o crescimento, já que tem atraído novos moradores em função da qualidade de vida e das oportunidades de trabalho.

Instabilidade

Apesar dos números positivos, a instabilidade política da cidade pode comprometer a regularidade dos projetos. Paulínia teve 13 prefeitos nos últimos sete anos. Dixon Ronan de Carvalho (Progressistas) foi cassado em 2018 por abuso de poder econômico na campanha e, após uma série de trocas de comando, o município teve eleição suplementar em 2019. Du Cazellato (PL) venceu para o mandato tampão e ganhou novamente em 15 de novembro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Publicidade