Mesmo em obras, SP-304 já acumula primeiros buracos

54 quilômetros da Rodovia Luiz de Queiroz estão sendo recuperados, com investimentos de R$ 33,8 milhões; contrato com empresa vai até maio


A obra que vai recuperar 54 quilômetros da SP-304 (Rodovia Luiz de Queiroz) ainda não foi concluída e a pista já apresenta os primeiros buracos. A reportagem do LIBERAL percorreu 19 quilômetros nesta sexta-feira, começando pelo entroncamento com a Rodovia Anhanguera até próximo à divisa de Santa Bárbara d’Oeste com Capivari. Foram observados buracos e desníveis ao longo desse trecho, que já recebeu os serviços de recuperação.

O LIBERAL quer saber sua opinião sobre o nosso portal. Acesse o questionário online e nos ajude a melhorar. CLIQUE AQUI PARA RESPONDER A PESQUISA.

No sentido Campinas, em Americana, foram encontrados danos no asfalto nos seguintes trechos: próximo à passarela da Avenida Nossa Senhora de Fátima, na altura do Instituto de Zootecnia e antes do radar de velocidade próximo ao Aeroporto Municipal.

Foto: João Carlos Nascimento / O Liberal
DER disse que equipe voltará aos locais com problema para reparos

Nesse mesmo sentido em Santa Bárbara d’Oeste foram constatados buracos antes do viaduto da Avenida Iacanga e próximo ao Distrito Industrial.

Já em direção a Piracicaba, foi observado desgaste no asfalto do trecho do radar que fica perto do Aeroporto; na altura do km 123; próximo à saída para Nova Odessa; no limite entre Americana e Santa Bárbara d’Oeste. Nessa cidade, há problemas no asfalto do trecho do km 137.

“Na hora que você sai da Avenida Nossa Senhora de Fátima tem muitos buracos. Eles fazem de qualquer jeito, jogam um negocinho e está bom, fazem com má vontade”, criticou o motorista de caminhão André Luiz de Oliveira, de 25 anos.

Reparos

Segundo o DER (Departamento de Estradas de Rodagem), o contrato firmado com a empresa Ellenco Construções tem vigor até maio. Equipes da empresa estarão nos locais mencionados para providenciar os devidos reparos na próxima semana.

“Qualquer dano que a pista apresentar, essa equipe estará até maio, então ela vai voltar e refazer até que seja entregue em perfeitas condições de uso para o usuário. Embora os serviços já tenham passado por aí, a obra não foi concluída, só será concluída em maio com o término da vigência do contrato”, explicou a assessoria do DER. O contrato de recuperação tem custo de R$ 33,8 milhões.

Tanto o departamento quanto a empresa foram questionados sobre as críticas dos usuários em relação à qualidade do serviço de recuperação, mas não se posicionaram.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!