16 de agosto de 2022 Atualizado 21:19

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Região

Dois carros utilizados em esquema de cashback são recuperados em Santa Bárbara

Locatários afirmaram desconhecer a ilegalidade da prestação do serviço e somaram um prejuízo de R$ 85 mil

Por Paula Nacasaki

19 de maio de 2022, às 10h20 • Última atualização em 19 de maio de 2022, às 13h31

Locadora de veículos RT&T, de Hortolândia, está sendo investigada pelo chamado “golpe do cashback” - Foto: Reprodução

Dois carros que eram utilizados pela locadora de veículos de Hortolândia, a RT&T, para darem golpes, foram recuperados nesta quarta-feira (18), em Santa Bárbara d’Oeste pela PM (Polícia Militar).

Os locatários afirmaram desconhecer a ilegalidade da prestação do serviço e somaram um prejuízo de R$ 85 mil.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

O golpe funcionava da seguinte maneira: os clientes alugavam carros por um valor combinado e, ao final do período de 15 meses, a locadora se comprometia a devolver todo o valor colocado, como se fosse um cashback pela locação dos veículos.

A questão é que, no dia 4 de abril, o empresário da locadora Carlos Roberto da Costa Reis fechou as portas, tirou todos os veículos do estabelecimento comercial e está foragido desde então. Tanto os veículos que estavam na locadora, como aqueles que estavam alugados a clientes também não pertenciam a RT&T, mas sim a uma empresa de Minas Gerais, que registrou um boletim de ocorrência de furto na época.

Veículos foram retirados da locadora de veículos e são considerados produtos de furto – Foto: Reprodução

Ou seja, todos os carros que estão com clientes da RT&T são considerados como produtos de furto, segundo a Polícia Civil.

Nesta situação, estavam os moradores de Santa Bárbara. Os militares, durante patrulhamento nesta quarta-feira, encontraram os dois carros em uma residência no Cidade Nova.

Em conversa, um dos locatários de 31 anos contou aos policiais que pagou a vista R$ 45 mil à RT&T pelo aluguel de Fiat Toro e o seu pai, de 67 anos, também havia desembolsado R$ 40 mil para locar VW Virtus.

A promessa é que ao final do contrato, no período de 15 meses, ambos receberiam o valor integral de volta. Os dois afirmaram que não tinham conhecimento do golpe e nem que os carros eram considerados furtados.

Diante dos fatos, os dois estiveram presentes no plantão policial de Santa Bárbara e foram liberados após prestarem depoimentos. Os carros foram recolhidos ao pátio até a tomada das decisões necessárias.

Publicidade