Coletivo oferece atendimento gratuito de psicanálise em Campinas

Sessões psicanalíticas são individuais e gratuitas, feitas por ordem de chegada, não havendo necessidade de agendamento prévio


Oferecer uma escuta psicanalítica a quem não conhece a abordagem ou não pode pagar pelos atendimentos é o objetivo do projeto “Psicanálise na Praça”, cuja atuação acontece todos os sábados, das 9h às 12h, no Largo do Pará, no Centro de Campinas.

Os atendimentos são realizados por um coletivo que conta com 12 profissionais dedicados ao trabalho voluntário. Todos os sábados, exceto feriados ou dias chuvosos, eles atendem uma média de 12 pessoas, com sessão de cerca de 40 minutos.

Receba as notícias do LIBERAL pelo WhatsApp. Envie uma mensagem para ser adicionado na lista de transmissão!

“Recebemos pessoas com angústia, com conflitos no trabalho ou nas relações, com depressão, ansiedade, toda a gama de conflitos que o ser humano pode ter. Tudo aquilo que leva uma pessoa à busca por tratamento e saúde mental, nós atendemos respeitando os limites da psiquiatria, da neurologia e até os acompanhamentos feitos por psicólogos”, explica o psicanalista Arnaldo Xavier.

Ele conta que o grupo já recebeu pessoas de outros municípios, como Americana, Sumaré e Jundiaí, que vão a Campinas especificamente em busca do atendimento.

“Todos somos profissionais que temos consultório, não estamos ligados a nenhuma instituição, associação, igreja. Resolvemos fazer esse trabalho voluntário para levar a psicanálise a quem não conhece ou não pode pagar, em um ambiente aberto”, diz.

Os atendimentos são feitos por ordem de chegada, não havendo necessidade de agendamento prévio. Além disso, são individuais e gratuitos. Qualquer pessoa maior de 18 anos, seja homem ou mulher de qualquer classe social, pode ser atendida desde que esteja em condições de sobriedade mínima para que a sessão possa ocorrer. É importante apenas chegar ao local no máximo até 11h20.

“Toda pessoa que estiver em estado de angústia ou desequilíbrio deve procurar o atendimento, seja na praça, seja diretamente com um profissional. É muito importante procurar ajuda”, finaliza o psicanalista.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora