16 de setembro de 2021 Atualizado 15:18

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Região

Acionista do Grupo Cosan está entre mortos de acidente de avião em Piracicaba

Celso Silveira Mellho Filho, esposa e três filhos estavam na aeronave que caiu nesta terça-feira; ele é irmão de Rubens Ometto, fundador do grupo; piloto e co-piloto também morreram

Por Paula Nacasaki

14 set 2021 às 11:48 • Última atualização 14 set 2021 às 13:47

Celso Silveira Mello Filho e esposa Maria Luiza Meneghel morreram no acidente - Foto: Gustavo Annunciato - Câmara de Piracicaba

O empresário piracicabano do setor de agronegócio Celso Silveira Mello Filho e sua família estão entre as vítimas da queda do avião ocorrida na manhã desta terça-feira (14), no bairro Santa Rosa, ao lado do Parque Tecnológico, em Piracicaba.

Celso, de 73 anos, era acionista da Cosan e irmão do presidente do conselho de administração do Grupo Cosan, Rubens Ometto, um dos grupos familiares mais tradicionais do empresariado brasileiro, atuantes no setor sucroalcooleiro.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

Ele estava acompanhado da esposa Maria Luiza Meneghel, de 71 anos, seus três filhos: Celso Meneghel Silveira Mello (46 anos), Fernando Meneghel Silveira Mello (46) e Camila Meneghel Silveira Mello Zanforlin (48). O piloto Celso Elias Carloni, de 39 anos, e o co-piloto Giovani Gullo, de 24, também faleceram.

As informações foram confirmadas pela assessoria de imprensa da Raízen, ligada ao grupo. Segundo a Prefeitura de Piracicaba, todos os corpos já foram localizados pelo Corpo de Bombeiros.

“Eram pessoas muito queridas. Uma tragédia inexplicável. Uma aeronave novíssima, tinha acabado de sair da revisão. É um dia muito triste para todos nós aqui em Piracicaba”, disse o prefeito Luciano Almeida, que esteve no local do acidente.

O piloto Celso Elias Carloni, de 39 anos, e o co-piloto Giovani Gullo, de 24, também faleceram – Foto: Reprodução

A aeronave, um avião modelo King Air B200, ano 2019, caiu por volta de 8h45, após decolar do Aeroporto Municipal Pedro Morganti, em Piracicaba. O LIBERAL apurou que o destino da aeronave era o Pará, aonde Celso iria a negócios.

Vídeos que circulam nas redes sociais mostram o momento da queda do avião, que, logo após a decolagem, despenca, bate contra um barranco e explode.

Após a queda, houve um incêndio na vegetação local, que foi controlado pelo Corpo de Bombeiros. Uma força-tarefa da prefeitura e brigadistas da Hyundai também auxiliaram na ocorrência.

Trajetória

Em 2016, Celso foi homenageado com o título de “Piracicabanus Praeclarus” pela Câmara de Piracicaba. O histórico publicado na época afirma que o empresário trabalhou por 25 anos na cidade antes de comandar projetos agropecuários em estados como Paraná, Mato Grosso do Sul, Tocantins e Pará, além de São Paulo.

Na ocasião, a Faculdade de Ensino Superior da Amazônia, instalada em Redenção, no Pará, era considerada por Celso a “menina dos olhos” de seus projetos.

Celso também era ex-presidente do XV de Piracicaba. Ele comandou o clube em duas ocasiões e, atualmente, compunha o conselho deliberativo do time, que lamentou a morte do empresário. A Raízen era patrocinadora master do clube.

Publicidade