04 de julho de 2022 Atualizado 17:34

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Região

Acionista do Grupo Cosan está entre mortos de acidente de avião em Piracicaba

Celso Silveira Mellho Filho, esposa e três filhos estavam na aeronave que caiu nesta terça-feira; ele é irmão de Rubens Ometto, fundador do grupo; piloto e co-piloto também morreram

Por Paula Nacasaki

14 de setembro de 2021, às 11h48 • Última atualização em 14 de setembro de 2021, às 13h47

Celso Silveira Mello Filho e esposa Maria Luiza Meneghel morreram no acidente - Foto: Gustavo Annunciato - Câmara de Piracicaba

O empresário piracicabano do setor de agronegócio Celso Silveira Mello Filho e sua família estão entre as vítimas da queda do avião ocorrida na manhã desta terça-feira (14), no bairro Santa Rosa, ao lado do Parque Tecnológico, em Piracicaba.

Celso, de 73 anos, era acionista da Cosan e irmão do presidente do conselho de administração do Grupo Cosan, Rubens Ometto, um dos grupos familiares mais tradicionais do empresariado brasileiro, atuantes no setor sucroalcooleiro.

Ele estava acompanhado da esposa Maria Luiza Meneghel, de 71 anos, seus três filhos: Celso Meneghel Silveira Mello (46 anos), Fernando Meneghel Silveira Mello (46) e Camila Meneghel Silveira Mello Zanforlin (48). O piloto Celso Elias Carloni, de 39 anos, e o co-piloto Giovani Gullo, de 24, também faleceram.

As informações foram confirmadas pela assessoria de imprensa da Raízen, ligada ao grupo. Segundo a Prefeitura de Piracicaba, todos os corpos já foram localizados pelo Corpo de Bombeiros.

“Eram pessoas muito queridas. Uma tragédia inexplicável. Uma aeronave novíssima, tinha acabado de sair da revisão. É um dia muito triste para todos nós aqui em Piracicaba”, disse o prefeito Luciano Almeida, que esteve no local do acidente.

O piloto Celso Elias Carloni, de 39 anos, e o co-piloto Giovani Gullo, de 24, também faleceram – Foto: Reprodução

A aeronave, um avião modelo King Air B200, ano 2019, caiu por volta de 8h45, após decolar do Aeroporto Municipal Pedro Morganti, em Piracicaba. O LIBERAL apurou que o destino da aeronave era o Pará, aonde Celso iria a negócios.

Vídeos que circulam nas redes sociais mostram o momento da queda do avião, que, logo após a decolagem, despenca, bate contra um barranco e explode.

Após a queda, houve um incêndio na vegetação local, que foi controlado pelo Corpo de Bombeiros. Uma força-tarefa da prefeitura e brigadistas da Hyundai também auxiliaram na ocorrência.

Trajetória

Em 2016, Celso foi homenageado com o título de “Piracicabanus Praeclarus” pela Câmara de Piracicaba. O histórico publicado na época afirma que o empresário trabalhou por 25 anos na cidade antes de comandar projetos agropecuários em estados como Paraná, Mato Grosso do Sul, Tocantins e Pará, além de São Paulo.

Na ocasião, a Faculdade de Ensino Superior da Amazônia, instalada em Redenção, no Pará, era considerada por Celso a “menina dos olhos” de seus projetos.

Celso também era ex-presidente do XV de Piracicaba. Ele comandou o clube em duas ocasiões e, atualmente, compunha o conselho deliberativo do time, que lamentou a morte do empresário. A Raízen era patrocinadora master do clube.

Publicidade