Bebê de 7 meses morre três dias depois de ser medicado

Criança deu entrada no Pronto-Socorro Edison Mano, em Santa Bárbara, na quinta-feira, onde recebeu três injeções e receitas de dois medicamentos


Um bebê de sete meses morreu neste domingo, após receber atendimento em unidades de saúde da RPT (Região do Polo Têxtil) – primeiro em Santa Bárbara d’Oeste, onde foi medicado, e depois em Americana, onde a morte foi constatada. A família afirma que houve negligência médica.

A criança havia sido atendida no Pronto-Socorro Edison Mano, em Santa Bárbara, na quinta-feira, onde recebeu três injeções e receitas de dois medicamentos.

Receba as notícias do LIBERAL pelo WhatsApp

Seu estado piorou e no domingo pela manhã ele não acordou. A família procurou o Pronto Atendimento do Antonio Zanaga, em Americana, mas a equipe não conseguiu reanimá-lo.

Foto: Marcelo Rocha / O Liberal
Pais de Brayhan no Cemitério Parque Gramado, onde o bebê foi enterrado nesta segunda

Daniele Tamara Palheiro, de 20 anos, mãe da criança, disse que Brayhan estava com diarreia, vômito e febre quando deu entrada no Edison Mano.

A médica que o atendeu prescreveu três injeções na unidade, e os pais temem que tenha ocorrido uma reação alérgica ou superdosagem. Daniele aponta que o filho não passou por nenhum exame.

“Falaram que era dente e saíram dando três injeções. Nem adulto toma isso. Ele tinha sete meses, como vai tomar três de uma vez?”, questionou Ueliton Antonio Rosa, 28 anos, pai do bebê.

Ouça o “Além da Capa”, um podcast do LIBERAL

O corpo passou por exame no IML (Instituto Médico Legal), que vai apontar a causa da morte em 90 dias. Ele foi enterrado nesta segunda-feira no Cemitério Parque Gramado. Na noite de ontem, a SSP (Secretaria de Segurança Pública) informou que não seria possível localizar o caso por conta do horário.

A Secretaria de Saúde de Santa Bárbara d’Oeste, em nota, disse que o bebê “recebeu todos os atendimentos pertinentes ao quadro, que era de diarreia e vômito. Após a liberação, a mãe da criança foi orientada a retornar ao serviço, caso o quadro não melhorasse ou houvesse piora. Entretanto, não há registro de atendimentos posteriores no PS. Em relação à causa da morte, a prefeitura não possui elementos para se pronunciar, já que o óbito não ocorreu na unidade”.

Segundo a coordenação do PA Zanaga, “a criança deu entrada na unidade já sem vida, apresentando um quadro cianótico e com sinais de rigidez cadavérica. Ainda assim, os profissionais tentaram a reanimação, porém sem sucesso”.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora