27 de outubro de 2020 Atualizado 15:38

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Benefício

Auxílio emergencial foi pago a 245 mil moradores da RPT

Repasses de benefício do governo federal na pandemia do coronavírus já somam R$ 431 milhões nas cidades da região

Por Leonardo Oliveira

27 set 2020 às 08:09

O auxílio emergencial oferecido pelo governo federal durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) já foi pago a 245 mil moradores da RPT (Região do Polo Têxtil). O número corresponde aos que receberam a ajuda entre os meses de abril e julho deste ano.

No período, R$ 431,3 milhões foram destinados a quem vive na região. Os dados constam no Portal da Transparência da União. Cidade mais populosa da RPT, Sumaré foi onde mais se registrou repasses do governo: foram pagos R$ 134,2 milhões no período.

O publicitário Nathan, que contou com auxílio para manter renda – Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

Na comparação entre o número de habitantes e a quantidade de moradores que receberam, Hortolândia é quem registra o maior percentual. Na cidade, 27% da população foi beneficiada pelo auxílio emergencial.

Em época de pandemia, os recursos foram fundamentais para manter parte da renda das famílias brasileiras.

O publicitário Nathan Lirola, por exemplo, teve o primeiro filho semanas antes do vírus se propagar. O morador de Santa Bárbara é autônomo e diz ter visto 80% dos clientes cancelarem contratos com a agência que possui e gere ao lado da esposa. O restante pediu redução de valores.

Com isso, teve que atrasar o aluguel, contas de água, energia elétrica e internet em meio ao desafio de se tornar pai de primeira viagem.

“Fiquei maluco. Perdia o sono quase toda noite, desesperado”, contou Nathan ao LIBERAL. “Pai de primeira viagem, não sabia os gastos que viriam com o bebê, não sabia se daria conta de tudo. Mas graças a Deus veio esse auxílio e, aos poucos, nós fomos colocando nossa vida no eixo”.

Na casa do desempregado Raul Izidório, no Jardim Ipiranga, em Americana, o auxílio também ajudou a “segurar as pontas”. Seis pessoas moram no imóvel, entre mãe, irmãos e padrasto – somente esse último trabalhava no começo da pandemia. “O auxílio foi necessário no começo para manter, aluguel, água, luz e mercado”, comentou.

O auxílio emergencial começou a ser pago pelo governo em abril, em parcelas mensais de R$ 600 e R$ 1,2 mil para chefes mães de família. No início deste mês, foi renovado para mais quatro meses, só que com valor menor: R$ 300.

OS NÚMEROS DA AJUDA
Veja a quantidade de beneficiários e os valores pagos na região

CIDADE – VALOR – BENEFICIÁRIOS
Americana: R$ 88,8 milhões – 52.230 pessoas
Santa Bárbara: R$ 70,2 milhões – 41.186 pessoas
Nova Odessa: R$ 23 milhões – 13.558 pessoas
Sumaré: R$ 134,2 milhões – 75.001 pessoas
Hortolândia: R$ 115,6 milhões – 63.646 pessoas

Publicidade