21 de outubro de 2021 Atualizado 23:02

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Saúde

AME Campinas deixa de ser hospital de campanha e retoma atendimento ambulatorial

Unidade de saúde oferece 23 especialidades, exames e procedimentos de baixa complexidade

Por Marina Zanaki

27 ago 2021 às 19:55

O AME (Ambulatório Médico de Especialidades) Campinas deixou de ser hospital de campanha para pacientes com o novo coronavírus (Covid-19) na região e vai retomar o atendimento ambulatorial.

O espaço está sendo readequado e a previsão de reabertura para pacientes é 1° de setembro. A mudança ocorre em meio à redução dos indicadores da doença. A alta do último paciente com Covid-19 foi em 12 de agosto.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

O AME Campinas oferece 23 especialidades, exames e procedimentos de menor complexidade por agendamento. Os atendimentos serão retomados de forma gradativa e a perspectiva é realizar 5,8 mil consultas e 600 cirurgias por mês.

“Ao retomar a produção cirúrgica, queremos atingir o equilíbrio desta demanda até o final do ano”, ressalta o diretor da unidade, Vilmar Medeiros.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

O ambulatório informou que está realizando contato com os pacientes para atualização de dados cadastrais e avaliação pré-operatória.

Balanço
O AME Campinas foi usado como hospital de campanha em duas ocasiões – no primeiro pico, entre abril e setembro de 2020, e depois na segunda onda, desde março deste ano. Nesses meses em que atendeu apenas casos de Covid-19, o local totalizou 591 pacientes.

Gosta de descontos? Conheça o Club Class, do LIBERAL

“Eventuais casos de Covid-19 da região que precisarem de atendimento terão assistência garantida por meio do direcionamento a outros hospitais de referência”, disse a Secretaria de Estado da Saúde.

No Departamento Regional de Saúde de Campinas, que inclui 42 municípios, a taxa de ocupação dos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) Covid está em 41% nesta sexta-feira.

Fãs de literatura têm espaço reservado no LIBERAL

No pico da segunda onda, o AME operou com a capacidade máxima. O local contava com 30 leitos Covid, dos quais 25 eram de UTI e cinco de enfermaria.

Publicidade