22 de abril de 2021 Atualizado 21:19

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Região

Alunos protestam contra fechamento de cursos na Unimep

Ato 'Contra o Sucateamento da Unimep' acontece nesta quinta, no campus Taquaral

Por Leonardo Oliveira

25 fev 2021 às 13:47 • Última atualização 25 fev 2021 às 15:42

Os estudantes da Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba) agendaram para o início da noite desta quinta-feira (25) um protesto contra o fechamento do campus Santa Bárbara e o encerramento de cerca de 30 cursos da instituição, anunciados na semana passada.

O ato acontecerá às 18 horas, no ponto de ônibus do campus Taquaral, em Piracicaba. Organizado pelos próprios alunos, o movimento tem o apoio da UEE (União Estadual dos Estudantes), afirma o presidente Caio Yuji de Souza Tanaka.

“É puxado pela UEE de São Paulo, mas, maioritariamente, é decisão dos estudantes construir esse ato, com o intuito da gente resguardar a Unimep para que os professores não percam seus empregos, para que os alunos não percam vários anos de graduação que estavam fazendo”, disse Caio em entrevista ao LIBERAL.

Será obrigatório o uso de máscaras. A organização orienta que evitem ir ao local aqueles que tenham sintomas ou tiveram contato com pessoas que tiveram sintomas de Covid-19.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

“É prejudicial para toda a comunidade acadêmica o fechamento da universidade, até porque ela cumpre uma função social de dar bolsas para estudantes, de fazer a extensão do conhecimento. Hoje a gente se posiciona contra o fechamento”, acrescenta Caio.

A universidade anunciou na última semana o fechamento do campus Santa Bárbara e cerca de 30 cursos que eram lecionados nas unidades barbarense e piracicabana. A motivação, segundo o reitor Ismael Forte Valentim disse ao LIBERAL, é financeira.

Os professores estão em greve desde novembro do ano passado, alegando atraso nos salários e verbas trabalhistas desde 2019. A Unimep perdeu cerca de seis mil alunos nos últimos três anos e meio, diz o reitor.

O fechamento pegou  de surpresa o o Sinpro (Sindicato dos Professores de Campinas e Região), que tem feito reuniões diárias com os professores para estudar quais ações serão tomadas pelo órgão.

Publicidade