19 de junho de 2021 Atualizado 09:51

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Violência

Quatro casos de violência doméstica são flagrados em oito dias em Nova Odessa

Em todos os casos as vítimas eram mulheres que foram agredidas pelos atuais ou ex-companheiros

Por Leonardo Oliveira

26 jan 2021 às 07:37 • Última atualização 26 jan 2021 às 09:43

As autoridades policiais de Nova Odessa atenderam quatro flagrantes de violência doméstica entre os dias 16 e 24 de janeiro na cidade.

Em todos os casos as vítimas eram mulheres que foram agredidas pelos atuais ou ex-companheiros. Em duas situações havia medidas protetivas contra os homens – em uma outra a vítima já havia solicitado.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

As informações foram obtidas pelo LIBERAL a partir de boletins de ocorrência registrados no plantão policial de Nova Odessa. Em um dos crimes, o acusado viu a ex-namorada no carro de um amigo e resolveu jogar o seu veículo pra cima do outro.

1° caso: dia 16/01, no Jardim São Francisco

Uma mulher de 45 anos disse aos policiais que estava sendo agredida pelo companheiro, um ajudante de 31 anos, desde a tarde do dia anterior. Quando foi dormir, levou socos, chutes e chineladas no rosto. O homem ainda teria usado o celular para agredir ela. A vítima teve lesões no joelho direito, braço esquerdo e na testa.

O indiciado disse que houve uma discussão por ciúmes, mas negou que tivesse a agredido. A mulher foi levada para o Hospital Municipal de Nova Odessa e passou por exame de corpo de delito, que indicou as agressões.

Por isso, o delegado responsável determinou a prisão do suspeito e entrou com pedido de prisão preventiva.

2° caso: madrugada do dia 23/01, no Centro

A vítima, uma estudante de 25 anos, estava de carona com um amigo e parou em um posto de gasolina quando foi vista pelo ex-companheiro, um tapeceiro de 22 anos. O suspeito se exaltou e teria dito que mataria a mulher caso ela não saísse do carro. Quando foi deixar o estabelecimento, jogou seu automóvel no veículo que a estudante estava, colidindo contra ele.

A mulher procurou a polícia para relatar o caso. Como havia uma medida protetiva contra o indivíduo, ele acabou preso.

3° caso: noite do dia 23/01, no Santa Rita II

Uma jovem de 21 anos tinha medida protetiva contra o ex-companheiro, um pintor de 26 anos, que apareceu na casa para buscar os filhos. Como uma das crianças estava dormindo, a jovem não quis autorizar que ele a levasse. Ela entrou em uma discussão e brigou com a atual namorada do ex, que também estava no local.

Ela diz que o homem entrou no meio da briga e a empurrou e a arrastou pelo chão. O acusado negou que tivesse agredido a ex.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

A vítima passou por exame de corpo de delito, que confirmou as agressões. Por isso o suspeito foi preso por violência doméstica. O pintor foi levado para a penitenciária de Campo Limpo Paulista também por descumprimento de medida protetiva.

4° caso: madrugada do dia 24/01, no Jardim Dona Maria Azenha

A vítima, uma tecelã de 37 anos, diz que foi agredida com socos, que causaram lesões na sua testa, boca, olho e braços. O suspeito, um ajudante de 36 anos, negou as agressões. A mulher passou por exames, que indicaram as lesões sofridas.

Também foi descoberto que a tecelã já havia solicitado medidas protetivas contra o ex-companheiro. Por isso, ele foi preso preventivamente.

Podcast Além da Capa
São 11 novos vereadores em Americana a partir deste ano na comparação com a legislatura que terminou em 2020. Falamos sobre o desenho que se apresenta na atuação dos parlamentares e a relação com a pandemia da Covid-19 nesse contexto.

Publicidade