Polícia Civil recupera carga avaliada em 50 mil

Estelionatário contratou um motorista de Nova Odessa, que retirou a carga no Ceasa de Campinas sem saber que se tratava de um golpe


A Polícia Civil de Nova Odessa recuperou uma carga de alho avaliada em R$ 50 mil na tarde desta sexta-feira (9). A mercadoria foi retirada do Ceasa de Campinas por meios fraudulentos e estava sendo transportada por um motorista que havia sido contratado por telefone momentos antes pelo estelionatário.

Como foi solicitado apenas para o transporte, o condutor do caminhão não tinha conhecimento sobre a origem criminosa do frete.

Foto: Polícia Civil / Divulgação
Carga foi recuperada e devolvida aos proprietários no Ceasa de Campinas

Segundo informações da Polícia Civil, o estelionatário, com os dados de uma distribuidora de Araraquara, conseguiu negociar a venda das 600 caixas de alho. Depois disso, ele contratou um motorista, morador de Nova Odessa, para realizar o frete.

O motorista em questão, Elton de Oliveira Bastos, retirou os produtos no Ceasa por volta das 12h. Para o transporte, foi emitida a nota fiscal e um Danfe (Documento Auxiliar de Nota Fiscal Eletrônica). Esse documento é encaminhado eletronicamente à empresa que realiza a operação de compra.

Os responsáveis pela empresa de Araraquara, ao receberem o e-mail, imediatamente entraram em contato com a distribuidora de Campinas, afirmando que não tinham realizado essa transação. Com esses dados, o Ceasa, que tinha o cadastro do motorista, repassou as informações do golpe para a polícia e o endereço de Bastos.

Os policiais civis se dirigiram à casa de Bastos por volta das 14h. O motorista só percebeu que havia sido contratado por um estelionatário com a chegada da polícia em sua residência.

“Ele (estelionatário) me ligou de manhã para me contratar, disse que eu pegaria a carga no de alho no Ceasa em Campinas e entregaria em Araraquara. Eu carreguei o caminhão no período da manhã e vim para casa. Só caiu minha ficha quando a polícia chegou e me contou sobre o estelionato”, afirmou.

Bastos disse ainda que o estelionatário chegou a fazer outras ligações, mudando o endereço do destino da carga. “Primeiro, a entrega seria em Araraquara. Depois, ele ligou mudando para São José do Rio Preto e, por fim, Uberaba”. Os DDDs utilizados pelo criminoso eram das áreas 16 e 34.

Até o fechamento desta matéria, o estelionatário ainda não havia sido localizado. O caso foi registrado na delegacia de Nova Odessa e será investigado.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!