08 de agosto de 2020 Atualizado 20:21

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

QUEBRA DE DECORO

Pedido de cassação de Bill é arquivado pela Câmara de Nova Odessa

Autor da denúncia contra o prefeito solicitou retirada do documento de tramitação após pedido do partido

Por André Rossi

01 ago 2020 às 08:20 • Última atualização 01 ago 2020 às 15:46

O pedido de cassação do prefeito de Nova Odessa, Benjamin Bill Vieira de Souza (PSDB), por quebra de decoro, foi arquivado pela Câmara de Nova Odessa. O motivo é que o autor da denúncia pediu a retirada do documento de tramitação.

A representação para abertura da CP (Comissão Processante) foi apresentada no dia 13 de julho por Aparecido Rodrigues de Siqueira, que é pré-candidato a prefeito da cidade pelo PMN.

A câmara entrou em recesso na sequência e, de acordo com o regimento interno, a denúncia teria de ser lida e votada na sessão ordinária da próxima segunda-feira (3).

No entanto, o próprio autor solicitou a retirada na última terça-feira (28), alegando “não ter interesse mais no prosseguimento da mesma”. O pedido foi aceito na quinta-feira (30) pelo presidente da Casa, Vagner Barilon (PSDB), que determinou o arquivamento da denúncia.

O LIBERAL entrou em contato com Siqueira para entender o motivo da retirada e ele disse que foi um pedido do partido. “O motivo de eu retirar o processo foi uma comunicação da estadual do PMN, porém sou presidente municipal do PMN, mas não deixo de ser um soldado do partido”, resumiu.

O argumento para quebra de decoro se baseava no fato de Bill ter sido denunciado criminalmente pelo MP (Ministério Público) por desvio de dinheiro da prefeitura e uso de documento público adulterado para beneficiar seu assessor de gabinete, Divair Moreira, em 2015.

A denúncia foi aceita pela 11ª Câmara de Direito Criminal do TJ-SP (Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo) no dia 29 janeiro deste ano e segue em tramitação. A promotoria pede a perda do cargo público e devolução de R$ 45.178,10.

Em 24 de outubro do ano passado, Bill realizou a restituição voluntária do valor. Em nota, o prefeito negou qualquer irregularidade ou prejuízo para a administração e apontou caráter “eleitoreiro” na denúncia.