06 de julho de 2020 Atualizado 22:20

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Quarentena

Nova Odessa tem ‘explosão’ de cultos feitos clandestinamente

Vigilância em Saúde recebeu ao menos 30 denúncias, e, em praticamente todas, a queixa é confirmada

Por George Aravanis

23 Maio 2020 às 10:11

Em meio à quarentena causada pelo novo coronavírus (Covid-19), Nova Odessa tem registrado vários cultos clandestinos, realizados em casas ou mesmo em igrejas, de portas fechadas.

A Vigilância em Saúde recebeu ao menos 30 denúncias, e, em praticamente todos os casos, a queixa é confirmada.

As atividades religiosas no município também estão suspensas por causa da pandemia, para evitar aglomerações.

Trabalho de fiscalização é realizado pela Vigilância em Saúde de Nova Odessa – Foto: Prefeitura de Nova Odessa / Divulgação

De acordo com uma pessoa que atua na fiscalização, quando o evento acontece nas igrejas, o templo recebe os fiéis e fecha a porta. “Agora estamos na era dos cultos clandestinos”, afirma a profissional, que pediu para não ser identificada.

Quem promove aglomerações pode ser enquadrado nas sanções previstas no artigo 268 do Código Penal (“Infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa”). A pena é detenção de um mês a um ano, e multa.

Se o culto acontece na igreja, os responsáveis pela denominação religiosa irão responder. Já se for em uma residência, o proprietário do imóvel será responsabilizado.

A quantidade de pessoas nos eventos religioso varia, de acordo com a profissional. “As igrejas que abrem, uma que eu vi pessoalmente tinha umas 15 pessoas dentro”.

Geralmente, não há problemas quando a fiscalização chega nas celebrações e a portas fechadas. A Guarda Civil Municipal dispersa as pessoas e os participantes do culto clandestino costumam ir embora ao serem alertados. E as denúncias continuam a chegar aos órgãos.

Alerta

A Vigilância recebeu um alerta nesta semana sobre um evento que será realizado na noite deste sábado, e que foi até divulgado em uma rede social. No cartaz que faz a propaganda do culto, direcionado a jovens, não há a informação de que será uma reunião presencial, mas consta a frase “cola pra cá que vai ser benção”.

Em um vídeo divulgado na página, um rapaz chega a lembrar aos participantes que deveriam usar máscaras.

O pastor responsável pela igreja garantiu que o evento será on-line e que a igreja não receberá fiéis. Ele afirmou ainda que iria se informar sobre o vídeo publicado. Ontem, depois que a reportagem falou com ele, o vídeo não estava mais disponível na internet.