Nova Odessa e Sumaré ficam fora da nova versão do Mapa do Turismo

Cidades foram excluídas da ferramenta utilizada pelo ministério para apoiar as que têm capacidade de desenvolvimento


Foto: Arquivo / O Liberal
Prefeitura de Nova Odessa diz que pretende fazer trabalho voltado ao turismo

Nova Odessa e Sumaré ficaram de fora da nova versão do Mapa do Turismo Brasileiro, ferramenta produzida pela pasta federal da área para estudar e apoiar municípios com capacidade de desenvolver o setor nos próximos três anos. O último mapa, de 2013, incluía as cinco cidades da RPT (Região do Polo Têxtil) na área batizada de “Bem Viver”, uma das 28 regiões definidas pelo Ministério no Estado de São Paulo.

Na nova versão o Mtur (Ministério do Turismo) mudou a metodologia para “otimizar” a ferramenta e facilitar as decisões do órgão. Entre as mudanças está a exclusão de cidades que não possuem verbas do orçamento municipal direcionadas exclusivamente para secretarias de turismo. O mapa também utiliza como medição o fluxo na área de hospedagem e o número de estabelecimentos do tipo, além do fluxo de visitantes brasileiros e internacionais nos municípios. “Com um mapa mais enxuto e que retrata de forma mais fiel a oferta turística brasileira, poderemos focar nossos esforços e otimizar nossos resultados”, afirmou o ministro interino Alberto Alves.

Americana, Hortolândia e Santa Bárbara d’Oeste foram classificadas pelo Mtur como municípios padrão C, numa escala que parte da letra A ao E, por possuírem vocação para turismo empresarial. Municípios classificados como D ou E fornecem mão de obra, insumos e influenciam para manter o setor turístico em cidades vizinhas.

De acordo com a assessoria de imprensa da pasta federal, a RPT recebeu nos últimos três anos R$ 23 milhões para investimentos na área. Sumaré teria ficado com R$ 7,8 milhões e Nova Odessa R$ 1,2 milhão. As outras três cidades foram presenteadas com R$ 4,5 milhões em Americana, R$ 8,5 mi para Hortolândia e R$ 400 mil para Santa Bárbara d’Oeste. Por telefone a assessoria comunicou que Nova Odessa e Sumaré não irão ser excluídas dos repasses de verbas e que as cidades podem recorrer da decisão através do Conselho Estadual do Turismo.

CORREÇÃO. O assessor da Diretoria de Cultura e Turismo, subordinado à Secretaria de Governo, Cícero Edno, disse que enxerga a exclusão de Nova Odessa do mapa como uma forma de benefício a outras cidades com maior potencial e não uma penalização aos municípios que ficaram de fora. “Não pretendemos recorrer, acho que precisamos trabalhar para que a cidade tenha atrativos turísticos de forma mais organizada e formatadas de acordo com os padrões do ministério. Faltou um profissional técnico no setor de turismo de Nova Odessa, algo que penso que será corrigido em um próximo mandato”, comentou o assessor. A Prefeitura de Sumaré não comentou o assunto.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora