16 de setembro de 2021 Atualizado 11:59

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Nova Odessa

IZ terá investimentos de R$ 4,4 milhões pelo governo de SP

Recurso será usado para pecuária sustentável, com redução de gases do efeito estufa, e vai permitir que IZ certifique empresas de pecuária e produtos lácteos

Por Marina Zanaki

28 jul 2021 às 07:46 • Última atualização 28 jul 2021 às 07:47

O Instituto de Zootecnia de Nova Odessa vai receber investimentos de R$ 4,4 milhões pelo governo de São Paulo. O recurso faz parte de um pacote de R$ 52 milhões anunciados pelo Vice-Governador Rodrigo Garcia (PSDB) nesta terça-feira em evento realizado no Instituto Agronômico de Campinas. Esse montante é o maior já investido pelo Estado em pesquisa agropecuária.

Segundo a APTA (Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios), os investimentos no Instituto de Zootecnia serão usados para acelerar a definição de parâmetros para pecuária sustentável em sistemas de produção com redução da emissão de gases do efeito estufa. Isso vai permitir ao IZ ser certificador de empresas de pecuária e de seus produtos.

Investimento será voltado à pesquisa – Foto: Ernesto Rodrigues / O Liberal

O recurso também vai possibilitar que o Instituto seja certificador de produtos de origem animal, oferecendo o Selo IZ de pureza genética em produtos lácteos.

Além da sede em Nova Odessa, o Instituto de Zootecnia possui unidades de pesquisa em Sertãozinho, Ribeirão Preto, Registro, Piracicaba e São José do Rio Preto. No total, o IZ deve receber R$ 11 milhões.

“O investimento em pesquisa é fundamental para que a gente continue mantendo o agro de São Paulo e do Brasil como referências para o mundo. Foi em São Paulo, nos nossos institutos, que os grandes desenvolvimentos do agronegócio ocorreram”, afirmou o Vice-Governador Rodrigo Garcia.

Secretário de Estado da Agricultura e Abastecimento, Itamar Borges destacou que os investimentos serão importantes para resgatar pesquisas que vinham sofrendo com falta de financiamento.

“A distribuição vai ser tanto para recuperar produtos paralisados, pesquisas e trabalhos que estavam interrompidos por falta de investimentos, bem como por falta de melhorias nos laboratórios e também da estrutura de pesquisadores”, disse o secretário durante o evento.

O investimento também será usado na implementação de mais de 50 soluções tecnológicas que os institutos estaduais vão entregar até o final do ano; modernização e ampliação e imóveis; e suporte para startups com perfil para o agronegócio

“A ideia é criar um sistema em rede inicialmente nos ambientes de São Paulo, Campinas, Nova Odessa e Ribeirão Preto, aplicando isso para outras regiões no futuro e formando uma Rede de Inovação do Agro. Também vamos acelerar a transferência de tecnologia para os diferentes setores do agronegócio, colaborando para a geração de empregos, segurança alimentar, alimento seguro e de menor impacto ambiental”, explicou o coordenador da APTA, Sergio Tutui.

Publicidade