Fisiculturista diz à polícia que cometeu crime sob efeito de drogas

Informação está no boletim registrado nesta quinta, relatando a prisão do jovem que confessou ter matado sua ex-namorada, Sidmara Oliveira da Silva


O fisiculturista Lucas Ribeiro Ramos, de 22 anos – assassino confesso da ex-namorada, a ajudante de produção Sidmara Oliveira da Silva, 25 anos – disse à Polícia Civil em Nova Odessa que cometeu o crime sob o efeito de drogas.

A informação consta no boletim de ocorrência elaborado para registro da localização e prisão do jovem. A mulher foi enforcada com uma toalha no domingo (4) em sua própria casa, no Jardim Santa Rita I, mas seu corpo só foi encontrado pela Polícia Militar nesta quarta-feira (7).

Foto: João Carlos Nascimento / O Liberal
Velório de Sidmara Oliveira da Silva teve início na noite desta quinta

Lucas foi detido na casa onde mora, no Jardim dos Lírios, em Americana, na quarta-feira. Ele chegou a fazer uma postagem no Facebook lamentando a morte de Sidmara. O celular da vítima e o controle do portão automático da casa onde ela morava foram achados no imóvel.

De acordo com o registro policial, Lucas confessou o crime e na presença do advogado acrescentou que agiu sob efeito de drogas. O advogado Jean Carlos de Lima, que representa Lucas, confirmou ao LIBERAL que o cliente disse ter usado cocaína no dia do crime.

A Justiça decretou a prisão temporária de Lucas. Ele está preso na cadeia de Santa Bárbara d’Oeste por um período de 30 dias, no qual a Polícia Civil fará investigações para o inquérito. O delegado Robson Gonçalves de Oliveira não comentou qual motivação do crime está sendo investigada.

Sidmara havia viajado para a casa dos pais, no Paraná, há cerca de um mês, durante férias do trabalho, e contado que sofria ameaças. “A menina foi em casa passear e deixou uma carta com endereço do cara certinho porque era ameaçada de morte. Covarde, sem vergonha. Se Deus quiser vai ficar uns 50 anos na cadeia se não for eliminado lá dentro, os presos não gostam desse tipo de gente”, declarou o pai da ajudante, Isaias da Silva.

A reportagem apurou que a ajudante de produção e Lucas teriam se conhecido por Facebook e que a aproximação inicial se deu pelo interesse em comum por academia. O relacionamento durou cerca de seis meses, com relatos de que o rapaz pedia dinheiro para ela.

Família

Irmã da vítima, a auxiliar de produção Sirlene Oliveira da Silva, de 28 anos, contou que Sidmara estava tentando um acordo para se desligar da empresa onde trabalhava para voltar para o Paraná para cuidar da mãe, que está doente.

“Ele (Lucas) falou que não ia deixar nunca ela ir embora, ia matar do que deixar ela ir e foi o que aconteceu. Ele já tinha tentado uma vez enforcar, faz uns dois meses. Dessa vez ele conseguiu”, lamentou.

A vítima trabalhava como auxiliar de produção em uma empresa no Centro de Nova Odessa, no período noturno. De acordo com vizinhos, ela gostava de se exercitar e se preocupava com alimentação.

O velório começou na noite de quinta e o enterro está marcado para as 10h desta sexta-feira, no Cemitério Municipal de Nova Odessa.

Há três anos, Sidmara perdeu um irmão. De acordo com o pai, o jovem tinha 22 anos e foi encontrado morto com um tiro, em um caso não esclarecido.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora