19 de Maio de 2020 Atualizado 20:57

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

COVID-19

Bill suspende contratos do Bolsa Creche em Nova Odessa

Medida foi tomada em virtude da antecipação do recesso escolar de julho para março por conta da pandemia do novo coronavírus

Por André Rossi

28 mar 2020 às 08:43

Foto: Arquivo / O Liberal
“Os acordos foram suspensos e deverão restabelecidos após a pandemia”, garantiu o Governo Bill

O prefeito de Nova Odessa, Benjamin Bill Vieira de Souza (PSDB), suspendeu os convênios com as escolas particulares IESC e Castelinho, que atendem 54 crianças do município através do Bolsa Creche. A medida foi tomada em virtude da antecipação do recesso escolar de julho para março por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Representantes das duas instituições disseram ao LIBERAL que foram pegas de surpresa e que temem ter de demitir funcionários, já que haverá redução de 50% no pagamento previsto para o mês de abril. O IESC, inclusive, cogita cancelar o convênio com a prefeitura.

O aviso de suspensão dos contratos foi publicado no Diário Oficial do município na quinta-feira. Ao todo, são 54 bolsas divididas em duas unidades do Castelinho (23 no Santa Rosa e 17 no São Manoel) e no IESC (14), segundo a administração municipal. Além do Bolsa Creche, todos os contratos relacionados à rede municipal de ensino, como merenda e outros serviços, foram suspensos.

“A Secretaria de Administração ressalta que não tem intenção de cancelar os contratos depois da crise. Os acordos foram suspensos e deverão restabelecidos após a pandemia”, garantiu o Governo Bill.

OUTRO LADO. Uma representante da IESC ouvida pelo LIBERAL e que pediu para não se identificar, disse que cogita pedir o cancelamento do contrato. “Eu vou ser obrigada a demitir funcionários que trabalham diretamente com o Bolsa Creche, não vai ter jeito. Vai impactar bastante”, disse.

Já uma porta-voz do Castelinho, que também pediu anonimato, apontou que está consultando seus advogados para saber o que pode ser feito. “Isso é terrível para gente, que vai precisar realmente demitir funcionários. Não tem outra saída e não tenho caixa. Ninguém está preparado para um momento desse”, lamentou.