Bill decreta estado de calamidade pública em Nova Odessa

Objetivo é agilizar a compra de insumos e contratar serviços para o combate ao coronavírus


O prefeito Benjamin Bill Vieira de Souza (PSDB) decretou estado de calamidade pública em Nova Odessa nesta quarta-feira (25) por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). O documento foi publicado em uma edição extraordinária do Diário Oficial. É a quarta cidade da RPT (Região do Polo Têxtil) a declarar calamidade – apenas Hortolândia segue em estado de emergência.

Clique aqui e se inscreva no nosso canal do Telegram e receba as notícias no seu celular!

O objetivo é agilizar a compra de insumos e equipamentos, além de contratar serviços essenciais para o combate à doença, com menores entraves burocráticos.  A cidade investiga quatro casos e uma morte suspeita por Covid-19. Um caso já foi descartado.

Foto: Prefeitura de Nova Odessa / Divulgação
Bill pede seriedade e reforça necessidade de isolamento social

O decreto também ratifica outras determinações que já haviam sido estabelecidas anteriormente, como o estado de quarentena, que teve início da terça-feira. O documento foi enviado para a Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) para que seja aprovado, segundo a assessoria de imprensa da prefeitura.

Saiba tudo sobre o coronavírus, o que ele provoca e como se prevenir

Em transmissão ao vivo pelo Facebook, Bill pediu “seriedade” para a população e reforçou a necessidade de isolamento social para combater a propagação do vírus. O discurso segue as recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde).

“Vamos manter a seriedade e a calma necessárias para o enfrentamento da Covid-19 e continuar seguindo as orientações da OMS, com isolamento social, para que possamos proteger a população da nossa cidade”, disse o prefeito.

Podcast: Sete edições do Além da Capa para ouvir durante a quarentena

Além de Nova Odessa, Americana, Santa Bárbara d’Oeste e Sumaré foram outras cidades da RPT que decretaram estado de calamidade pública.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora