Berço de talentos, projeto musical oferece uma chance para começar

Com seis anos, projeto Violeiros Mirins serve como iniciação musical para jovens


Os ventos da música foram favoráveis na infância do estudante Lucas Pereira Valdívia. Com pai contrabaixista, ganhou um pequeno violão quando ainda era alfabetizado. A paixão pelo instrumento foi crescendo e aos 9 anos, em 2013, teve oportunidade de entrar em um projeto musical que estava surgindo em sua escola, em Nova Odessa. Era o Violeiros Mirins, no qual se tornou referência e hoje já recebe oportunidades eventuais de ser professor, aos 16 anos.

Fruto de uma parceria público-privada entre a prefeitura e a empresa Profil, o projeto atende hoje 65 alunos gratuitamente. “Já participei de um campeonato, que eu fui com a Profil, e fiz uma audição que estava valendo um prêmio e eu ganhei esse prêmio tocando”, lembra Lucas.

Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal
“Gosto muito da música. Gostaria de seguir no rumo”, diz Lucas

Entre outros momentos marcantes, também guarda bem na memória a primeira vez em um palco. “Foi na escola Simão Welsh. Eu tinha um violão pequeno, estava com muita vergonha, insegurança de tocar, mas foi muito bom”, conta ele, que também participa de um grupo de músicos de uma igreja da comunidade.

E enfrenta o frio na barriga das apresentações ao vivo com o sonho de seguir uma carreira profissional. “Eu sempre tive o sonho de ter uma banda. Eu toco com um pessoal à noite, uns amigos meus, mas nada sério. Eu gostaria de seguir carreira, dar aula. Gosto muito da música. Gostaria de seguir no rumo”, revela.

Os sonhos do jovem são incentivados pelo pai, Laudo Valdívia da Silva, de 41 anos. “Ele se desenvolveu rápido. Achei que ele ia ‘apanhar’ mais, mas é interessante: quando a pessoa tem dom é outro nível. Aí logo ele desenvolveu, eu consegui comprar um violão melhor, a professora começou a colocar ele na frente (no palco). Aí eu falei: ‘começou com uma coisa pequena, olha onde você já está’”, relata.

Criador do projeto, o diretor de Programas e Projetos Educacionais de Nova Odessa, Achille Nicola Fosco, explica que um dos objetivos da iniciativa também é o resgate da música raiz.

“Nós tínhamos excelentes alunos ali, que quando iam para o 6º ano na escola não ficavam mais no projeto, porque o projeto era dentro da escola. Então, direcionamos para o setor de Cultura, e agora abrange qualquer aluno de todas as idades”, explica Nicola.

Entre os momentos marcantes da orquestra ele cita apresentações na Festa das Nações, há dois anos, e uma junto com a Banda Sinfônica, no Teatro Divair Moreira.

“Tivemos alguns alunos que criaram grupos de música, alguns passaram a tocar nas igrejas, então a gente percebe que há um aproveitamento. Tem crianças que gravam vídeo tocando, então o aproveitamento pedagógico foi importante sim”, ressalta.

Também há uma parceria com a Banda Municipal, que cede um percussionista para aulas de ritmo para as crianças.

Crianças entre 8 e 13 anos podem se inscrever para participar da orquestra até o dia 31, no Casarão de Cultura Herman Jankovitz, no Centro, das 8h às 14h. Os documentos necessários são os originais do RG ou certidão de nascimento do aluno, RG do responsável e comprovante de residência.

Mais informações pelo telefone 3466-2196.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora