Artesp descarta lombada eletrônica em pedágios da RPT

Praças da Anhanguera, em Nova Odessa, e da Bandeirantes, em Sumaré, não terão lombadas no setor de cobrança automática, mas polícia ainda pode multar


A RPT (Região do Polo Têxtil) não deve contar com lombadas eletrônicas para fiscalizar limites de velocidade nas pistas de pedágio automático. A Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) descartou instalar os dispositivos nas praças da Rodovia Anhanguera, em Nova Odessa, e da Bandeirantes, em Sumaré, ambas pistas administradas pela concessionária Autoban.

Foto: Marcelo Rocha / O Liberal
Pedágio de Nova Odessa não terá lombada eletrônica no setor de cobrança automática

O Código de Trânsito Brasileiro prevê multa ao motorista que passar acima dos 40 km/h em pedágios. As lombadas eletrônicas são uma exigência dos novos contratos de concessão por questões de “segurança viária”, segundo a Artesp.

Nesta segunda-feira, entraram em funcionamento as três lombadas eletrônicas nas pistas de cobrança automática de três praças de pedágio operadas pela concessionária ViaPaulista, na SP-255. Os trechos são nas cidades de Boa Esperança do Sul (km 117,22), Jaú (km 165,6) e Coronel Macedo (km 331,5).

Na malha rodoviária estadual há, ainda, previsão do equipamento na malha operada pela concessionária Entrevias, que está em fase de implantação.

Multas

Mesmo sem as lombadas eletrônicas, a velocidade é fiscalizada nas praças de pedágio da região. O DER (Departamento de Estradas de Rodagem) e a Polícia Militar Rodoviária são responsáveis pela aplicação das multas, que pode variar entre média (R$ 130) e gravíssima (R$ 293), dependendo da velocidade observada durante a infração.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora