18 de maio de 2022 Atualizado 12:10

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Nova Odessa

Após vereadores barrarem requerimentos, Natal protocola documentos na prefeitura

Bloco de proposituras e moções não foi aceito; vereadores de Nova Odessa enxergam como manobra política

Por Maria Eduarda Gazzetta

09 Maio 2022, às 11h45 • Última atualização 09 Maio 2022, às 11h46

O vereador Cabo Natal (Avante), de Nova Odessa, publicou um vídeo, na tarde de sexta-feira (6), em que informa a população que vai registrar todos seus requerimentos no setor de protocolos da prefeitura. O bloco de proposituras e moções foi barrado, na sessão dos vereadores na última segunda-feira, pelos parlamentares que são da base do prefeito, Cláudio José Schooder, o Leitinho (PSD).

”Elaborei 20 requerimentos, os quais foram rejeitados pelo plenário, através de uma manobra [política]. Estou exercendo meu papel de cidadão, usando as prerrogativas que faculta a mim e a população”, relatou o parlamentar, que é da oposição.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

A prefeitura tem 20 dias para responder aos questionamentos protocolados. Caso as dúvidas fossem enviadas por meio de requerimentos, o poder público teria 15 dias para encaminhar resposta ao vereador. Diante da situação, Cabo Natal relatou que se não receber retorno do Executivo, vai entrar com uma ação no MP (Ministério Público) contra o prefeito por improbidade administrativa.

Entre as proposituras que foram barradas pelos parlamentares está o requerimento de autoria do presidente da Casa de Leis, Elvis Ricardo Maurício Garcia, o Pelé (PSDB), em que questiona o Executivo sobre possíveis irregularidades no edital de licitação para compra de kits de material escolar, que não foram entregues desde do início do ano letivo.

Outra propositura do bloco que foi barrada é de autoria de Natal. O documento questiona o prefeito sobre a ausência do secretário de Educação, José Jorge Teixeira, no debate realizado no último dia 25, na Câmara. Na ocasião, o chefe da pasta disse que não iria porque precisaria atender a uma reunião em São Paulo.

Publicidade