Acordo prevê R$ 10 mil para suspender ação contra Carol Moura

Acusada de furto em loja de shopping em Campinas, vereadora de Nova Odessa terá de cumprir condições estabelecidas pela Justiça


Acusada de furto a uma loja em um shopping de Campinas, a vereadora Carol Moura (Podemos), de Nova Odessa, fechou um acordo para suspender por dois anos a ação contra ela.

Dentre as condições que a vereadora terá de cumprir está a proibição de frequentar bares e “lugares de reputação duvidosa”, não se ausentar de Nova Odessa por mais de oito dias sem autorização e aplicação de uma “multa” de R$ 10 mil, dividida em 10 parcelas mensais de R$ 1 mil, que será revertida ao Centro Infantil Boldrini, hospital de Campinas voltado para o tratamento de câncer infantil.

Foto: Marcelo Rocha / O Liberal
Após 100 dias afastada, Carol retornou à câmara no dia 24 de junho

Os detalhes constam no termo da audiência judicial realizada no dia 4 de junho, em Campinas. O processo da vereadora teve o segredo de justiça revogado pelo juiz Nelson Augusto Bernardes de Souza, da 3ª Vara Criminal de Campinas, no dia 5 de julho.

Carol Moura foi detida em flagrante no dia 17 de fevereiro, supostamente tentando levar cinco peças de roupa avaliadas em R$ 925 da loja Zara, no shopping Dom Pedro. Ela passou a noite na Cadeia Feminina de Paulínia e foi liberada no dia seguinte.

Depois da audiência, o advogado da parlamentar, Bittencourt Leon Júnior, informou ao LIBERAL sobre a suspensão do processo sem detalhar.

De acordo com o documento, o juiz da 3ª Vara Criminal propôs a suspensão por dois anos por conta de Carol Moura ser ré primária e o crime possuir “pena mínima cominada igual ou inferior a um ano”. Entretanto, algumas medidas foram impostas a parlamentar.

“Ela não poderá ausentar-se da comarca onde reside por mais de oito dias sem autorização judicial e não poderá frequentar bares, boates, festas, casas noturnas de qualquer natureza e estabelecimentos similares (festa do peão e congêneres, por exemplo), além de ter que recolher a quantia supra estipulada como condição do Juízo”, determinou o magistrado.

“Se cumpridas todas as condições, o processo será arquivado, com decisão de extinção da punibilidade, sem qualquer efeito condenatório, sendo então possível o levantamento da fiança prestada”, disse o juiz.

Sem impacto

Ao LIBERAL, Carol Moura disse que as imposições do acordo não afetaram seu dia a dia. Depois de 100 dias afastada por “motivos de saúde”, a vereadora reassumiu o posto na câmara em 24 de junho.

“Eu estou num momento da minha vida em que estou sendo mãe full time. Minha vida normalmente é casa, trabalho, trabalho, casa. Gosto muito de receber família e amigos em casa. Isso não tem interferido na minha vida”, afirmou.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora