17 de julho de 2024 Atualizado 22:39

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Crime

Presos por sequestro e morte de ganhador da Mega-Sena viram réus

Eles vão responder por extorsão mediante sequestro e associação criminosa; Justiça decretou prisão preventiva

Por João Colosalle

17 de novembro de 2022, às 19h07

A Justiça de Hortolândia aceitou a denúncia contra os cinco suspeitos de participarem do sequestro que terminou na morte do ganhador da Mega-Sena, Jonas Lucas Alves Dias, de 55 anos, crime ocorrido em setembro. A decisão, que foi publicada nesta quinta-feira e tornou réus os investigados pela polícia, também determinou a prisão preventiva do grupo.

O Ministério Público acusou Rogério de Almeida Spínola, de 48 anos; Samuel Messias Pereira Batista, 24, que tem nome social de Rebeca; Roberto Jeferson da Silva, o Gordo, 38; Marcos Vinicyus Sales de Oliveira, o Vini, 22; e Marcos Vinicius Ferreira da Silva, 22, pelo crime de extorsão mediante sequestro, com o agravante de que houve morte, e associação criminosa, cujas penas podem ultrapassar os 30 anos de prisão.

Jonas Lucas Alves Dias, de 55 anos, morreu após ser encontrado ferido – Foto: Reprodução / Facebook

Ainda na decisão, a Justiça determinou que haja realização de perícia no celular de uma testemunha e de Marcos Vinicius Ferreira, preso no dia 7 de outubro em Campinas com um carro e uma arma supostamente usados no crime.

O objetivo da análise seria localizar mensagens que possam ajudar a descobrir o que ocorreu antes e depois do crime, bem como as circunstâncias da fuga.

📲 Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

A Justiça também cobrou informações sobre a quebra de sigilo bancário de uma mulher investigada pela polícia, de Vini e de Gordo, além de Rebeca. No caso desta última, o juiz do caso alertou para uma “especial urgência” pelo fato de ela ter recebido os valores extorquidos do milionário.

A investigação ainda busca obter informações junto a motéis que teriam sido frequentados pelos suspeitos nos dias do crime. Foi cobrada uma lista de eventuais veículos que estiveram em um estabelecimento na Avenida Juscelino Kubitscheck, no Distrito Industrial, em Santa Bárbara, e em outro na Rodovia Luiz de Queiroz (SP-304), já em Piracicaba.

O advogado Fabio Costa, que representa Rogério e Rebeca, disse que irá entrar com um pedido de revogação da prisão temporária. “Entendo que eles não participaram da empreitada criminosa”, disse ao LIBERAL nesta quinta.

A reportagem entrou em contato com a defesa de Roberto Jeferson, mas não houve resposta. Os advogados dos outros réus não foram encontrados.

CRIME
Jonas morreu no dia 14 de setembro após ser encontrado ferido na alça de acesso da Rodovia Jornalista Francisco Aguirre Proença (SP-101) para a Rodovia dos Bandeirantes (SP-348), em Hortolândia. Ele, que ganhou R$ 47 milhões na Mega-Sena, em 2020, foi alvo de bandidos que tentaram roubá-lo a partir de transferências bancárias.

Segundo as investigações, foram feitos ao menos dois saques e uma transferência, que totalizaram R$ 20,6 mil. Os bandidos também tentaram uma transferência de R$ 3 milhões para uma conta de uma empresa, que foi frustrada pelo banco.

Publicidade