Na delegacia, motorista disse que bebeu após atropelar mulher

Anderson Ricardo dos Santos ensinava o filho de 8 anos a estacionar, quando perdeu o controle, derrubou o portão e atingiu Márcia Pereira


Foto: Reprodução
O sepultamento de Márcia foi realizado na tarde desta sexta-feira, no Cemitério Parque Hortolândia

Uma mulher de 55 anos morreu na noite de quinta-feira atropelada por um carro conduzido por um homem de 37 anos que estava com seu filho, de 8 anos, no colo ensinando-o a estacionar. O caso aconteceu no Jardim Amanda II, em Hortolândia. O suspeito Anderson Ricardo dos Santos foi preso pela PM (Polícia Militar).

De acordo com o boletim de ocorrência, o carro saiu desgovernado, de ré, da garagem onde o indiciado mora, derrubou o portão e atingiu Márcia Pereira da Silva Bassi Fernandes do outro lado da rua, na calçada. A mulher foi socorrida, mas morreu.

O sepultamento de Márcia foi realizado na tarde desta sexta-feira, no Cemitério Parque Hortolândia. Ela era casada, deixa três filhos e quatro netos.

O policial militar que atendeu a ocorrência afirmou em boletim que Anderson se recusou a fazer o teste do bafômetro e apresentava sinais de embriaguez, como olhos vermelhos, exaltação, odor de álcool etílico e fala alterada.

Em depoimento, o indiciado alegou que estava ensinando seu filho de oito anos de idade a estacionar quando perdeu o controle do veículo. O carro é um Kia Cerato automático.

De acordo com o delegado Diego Bini, Anderson chegou a confessar informalmente que havia ingerido bebida alcoólica; depois, no depoimento na delegacia do município relatou que bebeu duas cervejas, mas depois do acidente. “Como a pessoa acaba de matar alguém atropelada e vai beber?”, disse o delegado ao LIBERAL.

Essa não era a primeira vez que o autor colocava o filho para tentar ensiná-lo a dirigir. Testemunhas relataram informalmente que era costume ver Anderson dirigindo com a criança junto no banco do motorista, segundo o delegado – ele negou quando questionado no plantão.

Bini determinou a prisão de Anderson por homicídio culposo na direção de veículo automotor e o encaminhou até a cadeia de Sumaré. O LIBERAL não conseguiu contato com advogado de defesa até o fechamento desta edição

Ele teve a liberdade provisória concedida em audiência de custódia. Para isso, precisaria pagar R$ 20 mil de fiança ou entregar o veículo envolvido no crime. Entretanto, até as 20h40 desta sexta-feira, o homem ainda estava preso no CDP de Campinas, de acordo com a SAP (Secretaria da Administração Penitenciária).

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora