27 de maio de 2022 Atualizado 19:38

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Golden Park

MP apura propaganda enganosa em venda de lotes de condomínio fechado em Hortolândia

Donos de terrenos em área residencial em Hortolândia apontam falta de espaços de lazer; parte do local estaria em APP

Por Rodrigo Alonso

23 Janeiro 2022, às 08h29 • Última atualização 23 Janeiro 2022, às 17h51

Um inquérito instaurado pela Promotoria de Justiça de Hortolândia apura denúncias de propaganda enganosa na venda de lotes do condomínio Golden Park.

Segundo as reclamações, o loteamento não dispõe de áreas de lazer que haviam sido prometidas pelas empresas Golden Park Residence Empreendimentos Imobiliários e GSP Urbanização e Engenharia.

Proprietários apontam a falta de lago privativo, quiosque com vista para o lago, pista para caminhada e deck para pesca.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

De acordo com o promotor Francisco Antonio Nieri Mattosinho, do Ministério Público no município, parte do empreendimento estaria inserida numa APP (Área de Preservação Permanente), o que impossibilitaria a disponibilização dessas áreas de lazer.

Inclusive, esse impasse já fez proprietários acionarem a Golden Park Residence Empreendimentos Imobiliários e a GSP Urbanização e Engenharia na Justiça. Eles argumentam que houve uma desvalorização dos imóveis devido à ausência dessas áreas e, portanto, pedem indenização por danos materiais.

A Promotoria abriu o inquérito em 21 de dezembro e determinou o encaminhamento da portaria para jornais de circulação local e para o Procon de Hortolândia, a fim de que eventuais consumidores fiquem cientes da situação. Sua ideia também era identificar nos autos todos os proprietários do loteamento.

Por meio do advogado Marco Aurelio Luppi, a Associação de Moradores do Loteamento Jardim Golden Park declarou que está disposta a contribuir com o MP.

“A Associação de Moradores do Loteamento Jardim Golden Park declara que recebeu a informação acerca do inquérito instaurado pelo Ministério Público em relação às empreendedoras do loteamento e, desde então, se colocou à disposição para prestar todas as informações que forem solicitadas já que tem especial interesse na apuração destes eventos”, comunicou, em nota.

A entidade ainda destacou que houve prejuízo “aos proprietários que adquiriram os lotes acreditando na propaganda veiculada à época da venda dos terrenos”.

O LIBERAL não conseguiu contato com os representantes da Golden Park Residence Empreendimentos Imobiliários e da GSP Urbanização e Engenharia na Justiça, que são os alvos da apuração.

Publicidade