12 de maio de 2021 Atualizado 08:23

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

DUPLO HOMICÍDIO

Irmãos mortos a tiros por vizinho são enterrados em Hortolândia

Crime ocorreu no Jardim Nova América; suspeito é um policial penal afastado, que está foragido

Por Pedro Heiderich

26 abr 2021 às 16:21 • Última atualização 26 abr 2021 às 16:31

Os irmãos Eclécio Ferreira de Lima, de 36 anos, e Adelmo Ferreira de Lima, 39, mortos a tiros por um vizinho, foram enterrados na manhã desta segunda-feira (26), em Hortolândia. O suspeito do duplo homicídio é José Vicente da Cruz, um policial penal afastado de 67 anos, que está foragido.

Policial suspeito de cometer o crime fugiu logo após os disparos – Foto: Arquivo/O Liberal – Foto: Arquivo / O Liberal

Eclécio e Adelmo foram velados e enterrados no Cemitério Parque Hortolândia. O crime aconteceu na noite de sábado (24), no Jardim Nova América. Os irmãos bebiam cerveja em frente de casa, por volta das 19h, quando o policial teria ido discutir com uma pistola e atirou nos dois.

A suspeita é que a briga tenha sido causada por conta de som alto, segundo testemunhas. As partes já haviam discutido em outras ocasiões. Eclécio foi assassinado no meio da rua. Adelmo, foi socorrido pelo Samu até o Hospital Municipal Mário Covas, mas não resistiu.

Após os disparos, o autor do crime fugiu em um Volkswagen Voyage. A esposa de Eclécio, uma mulher de 37 anos, estava em casa no momento dos disparos. Ela relatou que as partes já haviam discutido em outras ocasiões. A perícia apreendeu quatro projéteis deflagrados de arma de fogo.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

O boletim de ocorrência foi registrado como homicídio qualificado consumado e o caso é investigado pelo 1° DP (Distrito Policial) de Hortolândia.

A reportagem tentou falar com a esposa de Eclécio, mas ela respondeu que a família não estava em condições de falar neste momento. A Polícia Civil segue em busca do paradeiro do policial, ainda não encontrado. No boletim de ocorrência não há telefone de contato do policial.

A SAP (Secretaria da Administração Penitenciária) do Estado de São Paulo disse em nota que o agente de segurança penitenciária estava afastado do trabalho na Penitenciária II de Hortolândia, aguardando a publicação da aposentadoria.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

“Foi determinada a instauração de Apuração Preliminar, estando o agente sujeito às penalidades impostas pela legislação, sem prejuízo das consequências advindas do processo criminal”, diz em nota.

De acordo com o pasta, o policial procurado ingressou na carreira em 1986 e atuou em várias unidades prisionais, além de Hortolândia e Campinas, Casa Branca, Franco da Rocha, Guarulhos e na Capital.

O LIBERAL perguntou se o policial tinha permissão para estar armado em casa e se o agente já tinha registrado algum problema enquanto servidor público, mas o órgão não se pronunciou.

Publicidade